Mercado fechado

Gigante da Índia mira vender até 200 milhões de smartphones

Saritha Rai
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- A Reliance Industries pediu a fornecedores locais que aumentem a capacidade de produção na Índia para que possam fabricar até 200 milhões de smartphones nos próximos dois anos, de acordo com pessoas a par do assunto. Seria um forte impulso para as ambições tecnológicas do país e um alerta para rivais como Xiaomi.

A empresa mais valiosa da Índia está em negociações com fabricantes nacionais para produzir uma versão de seu celular Jio que rodaria com o sistema operacional Android do Google e custaria cerca de 4 mil rupias (US$ 54), disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas. Os celulares baratos serão comercializados com planos sem fio de baixo custo da Reliance Jio, a operadora da controladora, disseram.

O presidente do conselho da Reliance, Mukesh Ambani, tenta renovar a indústria de smartphones do país da mesma forma que o fez com os serviços sem fio, onde seus baixos preços e planos simples rapidamente tornaram o empresário na força dominante. O bilionário também se alinha aos planos do governo indiano de expandir a manufatura nacional, um possível impulso para empresas locais como Dixon Technologies India, Lava International e Karbonn Mobiles.

“Obviamente, estamos tentando construir nossas empresas nacionais. Temos um ponto ideal em telefones básicos”, disse Pankaj Mohindroo, presidente da India Cellular & Electronic Association, em entrevista à Bloomberg Television. “O mundo percebeu que a Índia é um ótimo lugar para fazer negócios e também para manufatura.”

Representantes da Reliance não quiseram comentar.

A meta da Reliance de vender de 150 milhões a 200 milhões de celulares em dois anos representaria um grande impulso para fábricas indianas. A Índia fabricou cerca de 165 milhões de smartphones no ano encerrado em março e um número aproximado de telefones com recursos básicos, de acordo com a associação de Mohindroo. Cerca de 20% dos smartphones custam menos de 7 mil rupias, ou cerca de US$ 100.

A Bharti Airtel, concorrente da Reliance, também está em negociações com fabricantes para produzir seu próprio aparelho 4G, informou a mídia local. O Business Standard informou anteriormente sobre os planos de Ambani de terceirizar a fabricação de telefones.

Em julho, a Reliance fechou uma ampla aliança com o Google, sob a qual a unidade da Alphabet investiria US$ 4,5 bilhões e cooperaria em iniciativas de tecnologia. A parceria ainda está sob revisão regulatória, por isso a Reliance segue com a iniciativa de celulares por conta própria por enquanto.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.