Mercado abrirá em 5 h 35 min

Gigante cripto declara falência, mas Bitcoin segue intacto

Pessoa com a carteira vazia após falência
Pessoa com a carteira vazia após falência

A Genesis, subsidiária do Digital Currency Group (DCG), entrou com pedido de falência nesta sexta-feira (20), confirmando rumores que isso seria conduzido ainda nesta semana.

No documento aparecem os 50 maiores credores da empresa, com saldos variando entre US$ 10 milhões e US$ 765 milhões (R$ 52 milhões e 4 bilhões), incluindo corretoras, fundos de hedge e outros tipos de negócios.

Embora sua falência afete outras gigantes da indústria, como a Gemini, o preço do Bitcoin manteve-se estático com a notícia. Dias antes, um famoso trader comentou que o mercado já havia precificado tal quebra. Ou seja, sua falência não pegou ninguém de surpresa.

Genesis aponta lista de credores em documento de falência

Chamado de Capítulo 11 (Chapter 11) nas Leis de Falência dos EUA, a Genesis segue pelo mesmo caminho que a FTX tomou há dois meses. Em suma, o processo permite que empresas busquem restruturação enquanto deixam seus credores na espera.

Quanto aos credores, a Genesis liberou uma lista dos 50 maiores, com uma soma de US$ 3,5 bilhões (R$ 18,2 bi). O maior deles é a corretora dos gêmeos Winklevoss, que ameaçaram processar o DCG após o pedido de falência. No total, a Genesis deve US$ 765 milhões à Gemini.

Seguindo, o documento apresenta tanto nomes famosos quanto outros não tão conhecidos por investidores.

Como exemplo, um fundo do VanEck e a corretora Ripio aparecem na lista, bem como grupos ligados as criptomoedas Stellar (XLM) e Decentraland (MANA), nenhuma das duas apresentou grande variação de preços nesta sexta-feira.

Quanto aos menos conhecidos, uma empresa chamada Mirana Corp. aparece com um montante de US$ 151 milhões. Enquanto isso, a empresa brasileira Schnutz Investments LP completa a lista.

Bitcoin segue cravado nos US$ 21.000

Enquanto isso, o Bitcoin segue estático nos US$ 21.000. Não pela irrelevância da Genesis e sua empresa-mãe, o DCG, mas sim por ser um evento já conhecido por todos.

Afinal, a insolvência da Genesis já era um fato conhecido desde meados de novembro do ano passado, poucos dias após a FTX entrar com seu pedido de falência.

Portanto, embora o efeito dominó ainda esteja derrubando peças, o mercado segue otimista que o Bitcoin possa ter um grande ano em 2023, principalmente se o Fed começar a reduzir as taxas de juros.

Fonte: Gigante cripto declara falência, mas Bitcoin segue intacto

Veja mais notícias sobre Bitcoin. Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.