Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    31.971,61
    +177,28 (+0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Gestores humanos de hedge funds superam máquinas em pandemia

Hema Parmar, Katherine Burton e Nishant Kumar
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Desta vez, as máquinas não conseguiram superar os humanos na indústria de hedge funds.

Após anos sendo superados por estratégias quantitativas orientadas por computador, gestores de carne e osso voltaram ao topo em 2020, ajudados por fortes apostas em tecnologia e pelo forte fluxo de estímulos de bancos centrais, que impulsionaram os mercados. Os giros vertiginosos do ano atingido pela pandemia humilharam até mesmo os quants mais sofisticados - notavelmente as gigantes Renaissance Technologies e Two Sigma -, cujos modelos de negociação foram derrubados por oscilações que seus computadores nunca haviam visto antes.

No geral, os fundos administrados por humanos registraram alguns dos melhores números em uma década, com vários nomes em destaque, incluindo Tiger, Coatue e D1, que apresentaram retornos superiores a 35%. Seja por sorte ou por habilidade, eles mostraram que, no ano mais atípico dos últimos tempos, os gestores de ações ainda puderam enfrentar a ascensão aparentemente inexorável das máquinas.

Gestores de ações “tiveram vários anos de desempenho abaixo do esperado autoinfligido na última década, e a narrativa era de que os computadores haviam derrotado os humanos”, disse John Thaler, gestor veterano de renda variável que devolveu o dinheiro de clientes em 2015 e, neste ano, abriu uma empresa, a Hampton Road Capital Management. Mas ele destacou a virada de gestores com a estratégia comprada-vendida em ações, que mostrou forte desempenho neste ano.

* Até novembro

** Até meados de dezembro

Fontes: Desempenho dos fundos de acordo com documentos e pessoas a par do assunto.

Grandes vencedores

Muitos dos gestores de ações com melhor desempenho foram ajudados por seus investimentos em tecnologia e startups privadas, o que lhes permitiu dobrar facilmente o ganho de 14% do índice S&P 500 Total Return até novembro. Entre eles estão Coatue Management, Tiger Global Management e D1 Capital Partners, cujas apostas dispararam junto com o Nasdaq e um forte mercado para ofertas públicas iniciais.

Ao mesmo tempo, gestores macro, muitos dos quais reclamavam de anos de baixa volatilidade, finalmente conseguiram o que queriam. As consequências da pandemia desencadearam as maiores flutuações em mais de uma década diante da paralisação da economia global, o que levou a uma quantidade sem precedentes de apoio monetário dos bancos centrais.

A Caxton Associates, de Andrew Law, por exemplo, aproveitou o momento com retorno de 36% até novembro. O principal hedge fund da Brevan Howard Asset Management subiu 24% até novembro, a caminho de igualar ou superar seu melhor retorno anual.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.