Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.569,03
    +3.202,59 (+6,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Gestora discorda de cotas de gênero para conselhos de startups

Kat van Hoof
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Para a gestora de fundos Katie Potts, estabelecer cotas obrigatórias para mulheres em conselhos de startups de tecnologia não é uma boa ideia. Não porque ela seja contra a diversidade, mas porque diz que não há candidatas adequadas suficientes.

“Simplesmente não há mulheres com experiência suficiente no setor e de calibre adequado para preencher um terço dos cargos dos conselhos” no espaço de pequenas empresas de tecnologia, disse a fundadora da Herald Investment Trust, com sede no Reino Unido, no relatório financeiro anual divulgado na terça-feira. Muitas startups também enfrentam dificuldades para competir por talentos contra empresas maiores, como Alphabet, Apple e Facebook, disse.

Pequenas empresas de software e tecnologia respondem pela maior parte das posições da Herald, e seus fundos serão “pragmáticos” ao votar em cotas obrigatórias e regulamentos “excessivamente onerosos”, disse Potts, citando “casos de candidatos inadequados indicados e que causam danos reais”.

Os comentários de Potts contrastam com a pressão crescente por mais diversidade de gênero e raça nas salas corporativas, e tais métricas agora atraem maior escrutínio de reguladores e investidores. Na semana passada, o fundo soberano da Noruega, o maior do mundo, pediu que as empresas em que investe e cujos conselhos nos quais ambos os gêneros tenham menos de 30% de representação definam metas para resolver o problema.

Em entrevista, Potts comentou os desafios enfrentados por empresas menores para cumprir alguns dos requisitos de igualdade de gênero.

“É uma questão de nuances em que queremos o candidato mais adequado para preencher a posição”, disse. “Nesse caso, especialmente para empresas menores que já enfrentam companhias maiores pelos melhores candidatos”, não é fácil encontrar bons profissionais, disse.

Os cargos de conselho também tendem a ser ocupados por pessoas no final das carreiras, a maioria dos quais são homens, disse Potts, acrescentando que isso pode mudar na próxima geração.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.