Mercado fechará em 1 h 7 min
  • BOVESPA

    107.654,72
    -1.066,86 (-0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.571,98
    -477,07 (-0,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,79
    +2,68 (+3,62%)
     
  • OURO

    1.888,20
    +8,70 (+0,46%)
     
  • BTC-USD

    23.179,16
    +123,70 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    532,96
    +7,00 (+1,33%)
     
  • S&P500

    4.151,37
    +40,29 (+0,98%)
     
  • DOW JONES

    34.075,65
    +184,63 (+0,54%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.685,47
    -8,18 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.569,75
    +54,25 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5397
    +0,0204 (+0,37%)
     

Gerdau vai investir até R$1,5 bi na Newave Energia

SÃO PAULO (Reuters) - A Gerdau anunciou nesta sexta-feira que sua empresa de tecnologia e inovação Gerdau Next vai investir até 1,5 bilhão de reais para ter 33% da geradora de eletricidade Newave Energia, segundo fato relevante ao mercado.

O grupo siderúrgico vai investir em uma primeira etapa, em 2023, 500 milhões de reais no negócio, com o restante vinculado ao cumprimento de metas, informou a companhia.

Além da Gerdau, a NW Capital e fundos da XP vão investir até 3 bilhões de reais para terem o restante da Newave Energia.

Os investimentos vão financiar projetos novos da Newave Energia com capacidade de cerca de 2,5 gigawatts, exclusivamente de fontes solar e eólica, disse a siderúrgica. A expectativa de início de geração é nos anos de 2025 e 2026.

Os recursos serão usados também em projetos existentes e em comercialização de eletricidade, informou a Gerdau, que vai comprar 30% da energia gerada pela Newave em regime de autoprodução.

O investimento da Gerdau vem após a rival CSN arrematar em julho a geradora de energia elétrica gaúcha CEEE-G com uma oferta de 928 milhões de reais, em um movimento para diversificar os negócios e reforçar o fornecimento de eletricidade às suas próprias operações.

Também em julho, a CSN anunciou acerto para aquisição da usina hidrelétrica Quebra-Queixo

(Por Alberto Alerigi Jr.)