Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.565,16
    -28,79 (-0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Gerdau minimiza receio de recessão e vê demanda sólida em 2023 nos EUA e Brasil

SÃO PAULO (Reuters) - A Gerdau está vendo um panorama de demanda elevada por aço na América do Norte no próximo ano, sustentada por um fenômeno de relocalização de produção industrial de volta para os Estados Unidos e também pelos efeitos do pacote trilionário de infraestrutura aprovado pelo governo de Joe Biden.

No Brasil, o presidente-executivo da Gerdau, Gustavo Werneck, afirmou nesta quarta-feira que espera um cenário de demanda pela liga também sólido no próximo ano, apesar do cenário de juros elevados e endividamento crescente das famílias.

"Estamos montando 2023 de maneira muito próxima ao que vimos neste ano", disse Werneck, durante teleconferência com jornalistas.

"No Brasil, o consumo de aço pelo setor de infraestrutura tenderá a crescer no próximo ano e o saneamento é um exemplo que já está se traduzindo em demanda mais concreta", disse o executivo. "É demanda por mais aço e de bitolas maiores", acrescentou.

Além deste efeito da infraestrutura, gerado pelas concessões dos últimos anos de rodovias, ferrovias, energia e portos e aeroportos, Werneck aponta que a política de Covid zero na China tem ajudado clientes industriais da Gerdau no Brasil a encontrarem mais oportunidades de exportação de itens como máquinas e equipamentos.

Werneck, porém, citou que a preocupação em relação à demanda no Brasil segue sobre o segmento de varejo, de pequenas reformas e obras familiares, bastante impactado pelo endividamento e achatamento da renda. "Mas esse não é um segmento muito relevante para nós", afirmou o executivo.

O presidente da Gerdau afirmou ainda que a empresa está avaliando ampliar pacote de investimentos de cinco anos em Minas Gerais, orçado em 6 bilhões de reais e divulgado no ano passado.

Segundo ele, a companhia está estudando a ampliação dos investimentos no Estado - responsável por 30% de sua capacidade de produção no mundo - para aproveitar "novas oportunidades que estamos vendo no mercado". Werneck não deu detalhes.

Em Minas Gerais, a Gerdau tem uma série de instalações de produção de aço, incluindo a usina integrada em Ouro Branco que está recebendo recursos para redução de emissão de gases de efeito estufa e ampliação de capacidade.

"Pretendemos até o próximo ano reforçar parte desses investimentos...Quiçá, anunciar parcela adicional de investimentos", disse o presidente da Gerdau.

Às 12:44, os papéis da companhia subiam 5,47%, a 28,73 reais, melhor desempenho do Ibovespa, que recuava 0,36%.

Nesta quarta-feira, a siderúrgica divulgou lucro líquido ajustado de 3,02 bilhões de reais no terceiro trimestre e anunciou dividendo bilionário.

(Por Alberto Alerigi Jr.)