Mercado fechado

Gerdau anuncia altas de 8% a 12% em preços de aço longo no Brasil

Por Paula Arend Laier

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A siderúrgica Gerdau confirmou à Reuters nesta sexta-feira que está anunciando aumentos de preço de 8% a 12% para os produtos de aço longo no Brasil a partir de janeiro.

Mais cedo, analistas do Credit Suisse e do BTG Pactual divulgaram relatórios informando que a companhia estava anunciando tais reajustes.

Às 17:42 as preferenciais da Gerdau subiam 1,52%, a 16,70 reais, enquanto o Ibovespa valorizava-se 0,73%. Na véspera, os papéis da siderúrgica fecharam em alta de 7,5%.

O analista Caio Ribeiro, do Credit Suisse, chamou a atenção para o fato de que este reajuste vem após anúncio de alta de 7% nos preços para setembro, a qual a Gerdau conseguiu implementar perto de 3% com base em indicações de distribuidores de aço.

Ele calcula que, para cada aumento de 1% nos preços no Brasil, o Ebitda da Gerdau seria impactado positivamente em 2,3% em relação à previsão do cenário base do Credit Suisse 6,35 bilhões de reais para 2020.

"Nosso entendimento é de que esta é uma alta generalizada para todos os clientes, o que consideramos tranquilizador", escreveram os analistas Leonardo Correa e Caio Greiner, do BTG Pactual, em relatório a clientes.

"Embora os aumentos de preços nos últimos meses tenham sido altamente desafiadores, acreditamos que as condições estão maduras para um movimento no início do próximo ano, dada a elevação da demanda doméstica", disse equipe do BTG.

Os analistas, que têm recomendação de compra para as ações da Gerdau, estimam que os mercados de construção no Brasil permaneçam favoráveis e avaliam que o mercado possa ser excessivamente conservador sobre os lucros da Gerdau em 2020.

Ribeiro, do Credit Suisse, relata que a Gerdau está atualmente vendo os prêmios de paridade de importação no Brasil entre algo ligeiramente negativo e zero comparado com um prêmio normalizado de 10% a 15%.

Tal avaliação foi citada por executivos da companhia durante divulgação dos resultados de terceiro trimestre, em outubro, o que abriria espaço para reajustes.

O analista acrescentou que a companhia também poderia tirar vantagem da recente recuperação das condições de demanda para o aço longo, com números do setor citados pelo IABr mostrando alta de 4% ano a ano na demanda doméstica pelo produto em outubro.

"Atualmente, calculamos que os prêmios de importação para aços longos têm quase um desconto de 6% (contra um prêmio normalizado de 10% a 15%), o que, a nosso ver, sugere que há espaço considerável para aumentar os preços", disse Ribeiro.

"Além disso, a demanda por aços longos tem mostrado sinais concretos de retomada recentemente, o que acreditamos também ajudará a melhorar as condições de repasse", acrescenta o analista do CS, que tem recomendação 'ouperform' para a ação.