Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.720,48
    +1.438,20 (+1,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.483,81
    +145,47 (+0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,24
    +1,01 (+1,40%)
     
  • OURO

    1.747,70
    -31,10 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    44.727,57
    +1.477,12 (+3,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.120,94
    +12,02 (+1,08%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.306,50
    +143,00 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2263
    +0,0175 (+0,28%)
     

Geosys vê possível atraso no plantio de soja no Centro-Oeste por baixa umidade do solo

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O plantio de soja no Centro-Oeste, maior região produtora de grãos do país, começa neste mês e a expectativa da Geosys Brasil indica que os produtores podem se deparar com pouca chuva e altas temperaturas, com potencial para atrasar a semeadura, disse a empresa nesta sexta-feira.

De acordo com técnicas de sensoriamento remoto da companhia, as temperaturas podem atingir 40 graus em praticamente toda a região nos próximos 15 dias.

"Os modelos europeu e americano apontam chuvas acima da média somente em parte do Mato Grosso e em algumas áreas de Goiás. Nas demais regiões, são esperadas chuvas acima da média apenas em algumas áreas do Norte e Nordeste", alertou a Geosys.

Em Mato Grosso, produtores de soja pretendem antecipar o plantio, apostando em chuvas previstas para chegar até o fim de setembro, mais cedo do que em anos anteriores, conforme reportagem da Reuters publicada nesta quinta-feira.

Na avaliação da Geosys, no entanto, a chuva esperada para Mato Grosso é de 4 a 14,5 milímetros em grande parte do Estado.

"Apesar do baixo volume, a umidade do solo está um pouco acima em relação à observada neste período do ano passado, quando houve atraso do plantio da soja devido à seca. Com isso, as condições de solo se apresentam melhores que na safra anterior neste momento", pontuou a empresa.

Já para Goiás, cidades como Jataí e Rio Verde, apresentam umidade do solo 10% abaixo da média, estimou a Geosys.

Ela disse que a previsão aponta alta da temperatura e chuva em algumas áreas goianas, o que pode dificultar a semeadura da soja, prevista para iniciar na segunda quinzena do mês.

No Mato Grosso do Sul, a chuva ocorreu de forma mais generosa e houve melhora da umidade do solo em agosto. Mesmo assim, o levantamento indica que a precipitação acumulada nos meses de julho e agosto ficou muito abaixo da média --similar ao registrado nos anos de 1999 e 2006, que tiveram os menores índices na comparação dos últimos 30 anos.

"Para os próximos dias praticamente não há previsão de chuva e a umidade do solo deve permanecer abaixo da média, o que não favorece o plantio da soja."

Segundo a análise, a baixa umidade também pode comprometer a safra de trigo em algumas áreas do oeste do Paraná.

(Por Nayara Figueiredo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos