Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,16
    +0,25 (+0,35%)
     
  • OURO

    1.801,70
    -3,70 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    32.470,78
    +203,21 (+0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.090,00
    +161,50 (+1,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

George Floyd - Policial do caso é confrontado em supermercado: "Você devia estar preso"

·2 minuto de leitura
Imagem de George projetada em monumento a Robert E. Lee, em Richmond (Virginia), nos Estados Unidos (Foto: Tasos Katopodis/Getty Images)
Imagem de George projetada em monumento a Robert E. Lee, em Richmond (Virginia), nos Estados Unidos (Foto: Tasos Katopodis/Getty Images)

J. Alexander Kueng, um dos quatro ex-policiais acusados pelo assassinato de George Floyd, foi reconhecido por uma mulher em um supermercado de Minneapolis (EUA).

Em vídeo com mais de 1,8 milhão de visualizações no Twitter, a cliente do estabelecimento confronta o ex-agente de segurança e se mostra indignada ao vê-lo livre, fazendo compras, e não preso pelo homicídio.

Ao ser abordado, Kueng confirma ser o policial que participou da morte de Floyd e diz sentir muito pela dor da mulher, que se revolta com a resposta.

Leia também

"Não, você não sente muito. Você devia estar preso. Você sente algum remorso pelo que fez?", pergunta ela. "Você não vai pedir desculpas, não vai dizer nada? Esse vídeo vai para a internet", insiste.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

A mulher ainda diz a Keung que ele "não tem o direito de estar" naquele local e o critica por "fazer compras confortavelmente" depois de ter sido libertado da prisão mediante pagamento de fiança: "Como você ousa? Você vai para a cadeia, acredite".

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos