Mercado fechará em 4 h 19 min
  • BOVESPA

    100.986,68
    +2.314,42 (+2,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.999,36
    +257,86 (+0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,19
    +1,57 (+1,46%)
     
  • OURO

    1.822,80
    -7,50 (-0,41%)
     
  • BTC-USD

    20.788,44
    -475,49 (-2,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    452,63
    -9,17 (-1,98%)
     
  • S&P500

    3.921,38
    +9,64 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    31.564,16
    +63,48 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.270,04
    +61,23 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.129,00
    -11,50 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5251
    -0,0273 (-0,49%)
     

Genoma sequenciado dos dentes de vítima da Peste Negra revela origem da doença

Entre os anos de 1338 e 1339, uma mulher chamada Bačaq, de 40 anos de idade e apenas 1,42 de altura, faleceu e foi enterrada no cemitério de Kara-Djigach, a 11 km de Bishkek, capital do Quirguistão. Ela é uma das 114 pessoas enterradas no local num espaço de dois anos — e provavelmente morreu em decorrência da Peste Negra, podendo ser uma das precursoras de sua transmissão.

O epitáfio dela, que dizia "uma mulher fiel", estava escrito em siríaco, um dialeto aramaico. A lápide de Bačaq não fala a causa mortis, mas outros túmulos de 1338 e 1339 incluem essa informação, descrita como mawtānā — pestilência, peste ou praga. Os 114 mortos representam um quarto de todos os enterros do cemitério, que operou de 1245 a 1345.

Epitáfio de um dos mortos pela peste no cemitério: Lê-se:
Epitáfio de um dos mortos pela peste no cemitério. Lê-se: "Esse é o túmulo do crente Sanmaq. [Ele] morreu de pestilência". (Imagem: A.S. Leybin/Domínio Público)

Sequenciando a Peste

Os dentes de Bačaq, junto aos de uma mulher enterrada próxima, trazem evidências genômicas do que pesquisadores acreditam ser uma cepa ancestral da bactéria Yersinia pestis, a responsável pela pandemia de Peste Negra do século XIV, e mais: o artigo sobre o caso sugere que a região seja a fonte da praga, que matou o que estima estar entre 30% e 60% de toda a população europeia ao longo dos anos.

Muitas regiões da Ásia estão entre as propostas como origem da segunda praga pandêmica — a primeira é a Praga de Justiniano, no século VI, também de responsabilidade da peste bubônica. Até o momento, praticamente todos os dados genéticos e históricos advinham da Europa, dando uma visão eurocêntrica dos eventos. O novo estudo examina a única evidência arqueológica fora do oeste da Eurásia e da Europa.

Os corpos de cinco mulheres e dois homens dos cemitérios de Kara-Djigach e de Burana, vila próxima, haviam sido exumados no final do século XIX pelo arqueólogo Nikolay Pantusov, e os crânios dos mortos guardados no Museu Pedro, o Grande de Antropologia e Etnografia (Kunstkamera, o primeiro museu da Rússia), em São Petersburgo.

Escavação no sítio de Kara-Djigach no Vale do Chu, Quirguistão, aos pés das montanhas Tian Shan, entre 1885 e 1892 (Imagem: A.S. Leybin/Domínio Público)
Escavação no sítio de Kara-Djigach no Vale do Chu, Quirguistão, aos pés das montanhas Tian Shan, entre 1885 e 1892 (Imagem: A.S. Leybin/Domínio Público)

Os genomas do Y. pestis retirado dos ossos de duas das mulheres estudadas foram sequenciados e considerados idênticos, e então comparados com 203 cepas modernas e 47 genomas históricos da espécie. A cepa encontrada parece ser a ancestral da que evolui na época da Peste Negra, ligada ao início dessa segunda pandemia. As mesmas cepas são encontradas nos restos de vítimas europeias da peste e até mesmo atualmente, em formas menos virulentas.

Origens da praga

A cepa retirada dos corpos se parece com as modernas presentes em animais da região, levando os cientistas a sugerir que ela se originou na região montanhosa próxima chamada Tian Shan, na fronteira entre o Quirguistão e a China, quando a bactéria pulou de hospedeiros roedores (provavelmente marmotas) para humanos.

A análise do genoma de sete pessoas do cemitério mostrou serem similares a populações da Eurásia moderna, mas a variedade de itens de diferentes locais presentes nos túmulos indica uma grande diversidade geográfica, com origens da China, Mongólia e Armênia. Isso mostra como as rotas de comércio conectavam a região, que, na época, era controlada por mongóis.

Bubos causados pela peste bubônica na perna de uma vítima (Imagem: CDC/Domínio Público)
Bubos causados pela peste bubônica na perna de uma vítima (Imagem: CDC/Domínio Público)

Balasagun, a vila mais próxima ao cemitério de Burana, era um centro de vida econômica, política e cultura na Ásia Central, ficando ao longo da Rota da Seda. O comércio intercontinental teve um grande papel na disseminação da praga durante a Peste Negra, evidenciado pela posição do cemitério, mas a conclusão do estudo levanta a questão do porquê a doença não se espalhou, também, para o leste da Ásia.

O estudo foi publicado nesta quarta-feira (15) na revista científica Nature.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos