Mercado abrirá em 9 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,47
    -0,30 (-0,57%)
     
  • OURO

    1.859,30
    +4,10 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    32.352,48
    -15,80 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    654,09
    -22,81 (-3,37%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    29.663,71
    -495,30 (-1,64%)
     
  • NIKKEI

    28.641,13
    -181,16 (-0,63%)
     
  • NASDAQ

    13.436,50
    -39,00 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7111
    +0,0749 (+1,13%)
     

General Ramos vê vitória eleitoral do centro e convoca partidos a aprovarem projetos no Congresso

RICARDO DELLA COLETTA
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF,  27.10.2020 - O ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 27.10.2020 - O ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Responsável pela articulação política do Planalto, o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) afirmou nesta terça-feira (1º) que os partidos do "centro democrático" venceram as eleições municipais e que agora é momento de aprovar "pautas importantes" no Congresso Nacional.

"O segundo turno das eleições municipais reforçaram minha última análise. Os partidos do 'centro democrático' venceram de maneira inquestionável e na sua grande maioria fazem parte da base do governo", escreveu Ramos numa rede social.

Em seguida, ele destacou o número de prefeituras conquistas pelo MDB, Progressistas, PSD, DEM, Republicanos e PTB .

As legendas citadas pelo ministro defendem pautas liberais na economia, mas nem todos integram a base governistas.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, o presidente do DEM, Antônio Carlos Magalhães Neto, disse por exemplo que seu partido não estará com Bolsonaro em 2022 caso o atual presidente se coloque com um candidato "do extremo".

Em sua mensagem nas mídias sociais, o ministro afirmou ainda acreditar "na responsabilidade política do Congresso Nacional".

"Também é importante ressaltar que agora é momento de aprovarmos as pautas importantes para o Brasil. Acredito na responsabilidade política do Congresso Nacional, e tenho certeza que avançaremos".

A equipe econômica do governo tenta impulsionar no Legislativo uma série de matérias, como a reforma tributária e a PEC Emergencial -que prevê medidas que reduzem benefícios de servidores e cria gatilhos para conter o avanço das despesas.

Apesar do apelo de Ramos, a expectativa no Congresso é que nos próximos meses as discussões estejam dominadas pela eleição da presidência da Câmara.

A fala de Ramos sobre o resultado do pleito municipal vai na mesma linha de outros auxiliares de Bolsonaro, que minimizaram a derrota de candidatos apoiados pelo presidente e destacaram o avanço das siglas de centro que votam com o Planalto no Parlamento.

Segundo relatos feitos por auxiliares palacianos, o pleito municipal deve reforçar a relação de dependência do governo Bolsonaro com o centrão, grupo de legendas que registrou crescimento no número de prefeitos.

Além disso, mesmo a derrota de Marcelo Crivella (Republicanos) no Rio de Janeiro e a vitória de Bruno Covas (PSDB) --aliado do governador tucano João Doria-- em São Paulo são relativizadas por interlocutores do presidente, que acreditam que os prefeitos das duas capitais não poderão se dar ao luxo de adotar uma postura de confronto com o governo federal.

Entre primeiro e segundo turno, Bolsonaro declarou abertamente apoio a 63 candidatos em todo o país, a maioria durante as suas "lives eleitorais gratuitas".

Foram 18 candidatos a prefeito, um a senador (Mato Grosso teve eleição suplementar, no primeiro turno) e 44 a vereador.

Apenas 11 candidatos a vereador e 5 a prefeito foram eleitos.