Mercado abrirá em 18 mins
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,65
    +0,89 (+1,06%)
     
  • OURO

    1.802,40
    +6,10 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    63.039,07
    +2.712,53 (+4,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.232,94
    +28,39 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.376,25
    +35,25 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5611
    -0,0197 (-0,30%)
     

General Motors muda de ideia sobre retomar produção do Chevrolet Bolt

·2 minuto de leitura

A General Motors não vai retomar a produção do Chevrolet Bolt enquanto não tiver garantias por parte da LG que as baterias do carro estão 100%. Segundo a Reuters, a montadora estadunidense tem um novo prazo para retomar a fabricação de seu único veículo elétrico: dia 15 de outubro. A decisão, porém, pode ser revista se a empresa sul-coreana não tiver uma resposta à altura para o problema, que causou o recall de todas as unidades do veículo em todo o mundo.

O planejamento previa a volta da produção do carro para 24 de setembro, mas um novo incêndio em um Chevrolet Bolt que estava estacionado foi o suficiente para fazer com que a General Motors mudasse de ideia. Esse caso, inclusive, modificou as diretrizes para os usuários do automóvel, que agora não podem estacioná-lo em ambientes fechados como prédios e shoppings, causando ainda mais irritação.

A montadora já trabalha com um prazo extenso para a resolução dos problemas de todos os Bolt já fabricados. Apesar de ainda não ter definido se os 142 mil carros produzidos entre 2017 e 2021 precisarão efetuar a troca completa das baterias ou de todo o sistema de abastecimento, pode ser que o trabalho feito em conjunto pela LG e pela General Motors para todo o recall leve até um ano.

A ideia do recall era corrigir uma falha na aba do ânodo e no separador, que ocasiona incêndios recentes em algumas unidades do automóvel pelo mundo. Depois, descobriu-se que essa falha era crônica e que seria necessária a troca das baterias de todos os Bolt produzidos, sejam eles da antiga ou da nova geração. Sendo assim, a General Motors convocou todos os usuários do carro para realizar esse procedimento.

Como a General Motors dá oito anos de garantia para as baterias, todos os custos serão arcados pela montadora — que deve ser reembolsada pela LG. O preço total dos reparos pode chegar a US$ 1,8 bilhão.

No Brasil, tudo na mesma

O lançamento do novo Bolt no Brasil estava marcado para o mês de setembro, mas teve que ser adiado por conta do recall, que também está acontecendo por aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos