Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.482,34
    +1.718,88 (+4,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

General Motors é mais uma empresa a testar hidrogênio em aviões

·2 minuto de leitura

A General Motors é uma das montadoras compromissadas a eliminar de uma vez por todas os carros a combustão de seu portfólio. Não satisfeita com esse objetivo, a gigante estadunidense agora parte para investir em outros mercados e já mira na aviação, outro ambiente fértil para inovações. Prova disso é que a empresa firmou parceria com a francesa Liebherr para testar novos sistemas de propulsão com células de combustível a hidrogênio.

A montadora já possui uma divisão interna voltada para o desenvolvimento de motores movidos a hidrogênio, chamada de GM Hydrotec. Os estudos, porém, estavam restritos a automóveis e caminhões, pois, de olho na total eletrificação, a empresa quer ter alternativas para mercados que não devem se adequar a essa drástica mudança. A parceria com a Liebherr, porém, vai trazer a tecnologia de ambas para a aviação, já que a companhia francesa trabalha dentro da aviação fornecendo peças e sistemas de segurança.

As duas empresas devem trabalhar em um sistema integrado que poderá ser utilizado na aviação comercial. O novo esquema de propulsão, baseado nas tecnologias já existentes da GM Hydrotec, ainda está nos estágios preliminares de desenvolvimento e está prestes a ser testado em um laboratório da Liebherr-Aerospace em Toulouse/FRA, onde a francesa já trabalha em projetos e sistemas alternativos de propulsão para o transporte aéreo.

Power Cube, da General Motors/ Imagem: General Motors
Power Cube, da General Motors/ Imagem: General Motors

"A mudança do sistema convencional para um sistema de geração de energia elétrica baseado na tecnologia de hidrogênio significa grandes modificações nos sistemas a bordo da aeronave, que podem resultar em um desempenho melhor e mais eficiente do avião. Para isso, queremos provar e testar completamente. A vantagem da tecnologia de célula de combustível da GM é que ela se mostrou promissora em extensos programas automotivos e militares, além de ser confiável do ponto de vista de engenharia e fabricação", explica Francis Carla, diretor administrativo e de tecnologia da Liebherr-Aerospace & Transportation SAS, em comunicado oficial.

As células de combustível que a GM desenvolve são projetadas para serem compactas e versáteis e estão entre as mais avançadas do mercado. Esse trabalho teve a colaboração direta da Honda, que ajudou os estadunidenses a criarem os Power Cubes, aparelhos que abrigam toda a essa tecnologia sustentável.

Vale lembrar que a Airbus já desenvolve uma aeronave 100% movida a hidrogênio, o Zero E, que deve ser lançado até 2035. Não se sabe, porém, qual será a empresa (ou as empresas) que a GM e a Liebherr vão fornecer eventuais motores ou sistemas a hidrogênio, mas é mais um indicativo que a indústria aeroespacial caminha para a sustentabilidade.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos