Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,82 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,96 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,34
    -0,03 (-0,05%)
     
  • OURO

    1.847,70
    +9,60 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    45.159,38
    -2.855,54 (-5,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.247,42
    -111,14 (-8,18%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,73 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.969,90
    -114,57 (-0,41%)
     
  • NASDAQ

    13.372,50
    -14,50 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4042
    +0,0002 (+0,00%)
     

General escolhido por Bolsonaro assume Petrobras; veja desafios

Redação Finanças
·4 minuto de leitura
Silva e Luna também já indicou que quer o fim do home office para a diretoria
Silva e Luna também já indicou que quer o fim do home office para a diretoria
  • Silva e Luna terá o desafio de manter o programa de venda de negócios para reduzir o endividamento

  • A meta da estatal hoje é se desfazer entre US$ 25 bilhões e US$ 35 bilhões até 2025

  • Atualmente a estatal vem acompanhando as variações das cotações do petróleo

O Conselho de Administração da Petrobras, renovado em assembleia de acionistas no início da semana, reúne-se nesta sexta-feira para o último passo do que o mercado considerou uma intervenção do presidente Jair Bolsonaro na maior estatal do país: a nomeação do general da reserva Joaquim Silva e Luna para a presidência da empresa.

Luna, que foi eleito um dos sete representantes do governo no conselho — que tem 11 cadeiras — deve ser eleito presidente da estatal em substituição a Roberto Castello Branco, que foi demitido em meio à insatisfação de Bolsonaro com a política de preços de combustíveis da estatal. O executivo foi destituído formalmente na segunda-feira.

O que Luna pretende fazer com o sistema de reajuste dos preços dos combustíveis para agradar o presidente e evitar prejuízos para a companhia que desagradem aos acionistas minoritários é uma das principais dúvidas do mercado.

Alta de preços e desafios

Com a demissão de Castello Branco, quatro dos oito diretores colocaram seus cargos à disposição. O general já indicou que pretende recrutar nomes internamente para promover uma transição suave na empresa.

Ele vai precisar de executivos para as áreas de Exploração e Produção, Desenvolvimento da Produção, Comercialização e Logística e Finanças e Relacionamento com Investidores, entre outras.

Silva e Luna também já indicou que quer o fim do home office para a diretoria. Ele próprio já despacha na sede da estatal, no Centro do Rio.

Especialistas e analistas de mercado esperam que a política de preços de combustíveis passe por alterações.

Atualmente a estatal vem acompanhando, com reajustes frequentes, as variações das cotações do petróleo no mercado internacional e do câmbio. Assim, desde janeiro, a gasolina acumula alta de cerca de 40%; e o diesel subiu 30%, sem contar o aumento anunciado na quinta-feira.

O desafio do general será alterar essa política sem expor a empresa a grandes perdas financeiras, o que vai desagradar acionistas minoritários e penalizar o valor de mercado da companhia na Bolsa.

Quando a Petrobras anunciou a recente alta de 39% no preço do gás canalizado para as distribuidoras, o presidente Jair Bolsonaro voltou a fazer uma dura crítica à política de preços da Petrobras. E indicou que pode haver mudanças.

Embora a Nova Lei do Gás tenha passado pelo Congresso, e a estatal tenha assinado acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para abrir espaço para a concorrência no setor, especialistas lembram que as empresas privadas não conseguem acessar os espaços ociosos dos gasodutos, o que poderia reduzir os preços.

Hoje, mesmo com a venda de alguns gasodutos da Petrobras, a estatal tem contrato de uso dessas redes com as empresas que compraram esses ativos, e as negociações com a Agência Nacional do Petróleo (ANP) não avançam.

Silva e Luna terá o desafio de manter o programa de venda de negócios para reduzir o alto endividamento da empresa, mas o plano enfrenta forte oposição dos sindicatos de petroleiros.

No fim de março, o Conselho de Administração da Petrobras aprovou a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), na Bahia, para o Mubadala, fundo de investimento dos Emirados Árabes. O fundo vai pagar US$ 1,65 bilhão pela unidade.

Agora, a dúvida é se a nova gestão vai manter o cronograma de venda de ativos como forma de reduzir o endividamento. A meta da estatal hoje é se desfazer entre US$ 25 bilhões e US$ 35 bilhões até 2025.

Há uma expectativa de que a nova gestão da empresa volte a fazer investimentos além do pré-sal, desenvolvendo projetos em diferentes partes do Brasil.

Atualmente, a empresa está focada no desenvolvimento dos campos de alta produtividade do pré-sal na Bacia de Santos.

Para os próximos anos, a Petrobras pretende fazer investimentos anuais entre US$ 10 bilhões e US$ 12 bilhões.

De O Globo