Mercado abrirá em 2 h 21 min

Gelo marinho da Antártica atinge a menor extensão em 5 anos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O gelo marinho da Antártica atingiu um novo recorde de extensão mínima no início deste ano, o segundo evento dessa natureza nos últimos cinco anos, segundo novo estudo liderado pela Universidade Sun Yat-sen, em Guangzhou, na China. Embora parte da causa dessa perda de gelo tenha sido compreendida, ainda é um desafio entender exatamente como as mudanças climáticas estão afetando o polo sul.

Enquanto o Ártico tem aquecido mais rapidamente do que qualquer outra parte da Terra e passa por degelo crescente, na Antártica é observada uma tendência de crescimento de 1% da extensão de gelo a cada década desde 1970. No entanto, desde 2017, a extensão do gelo marinho no polo sul vem se reduzindo.

Os cientistas climáticas tendem compreender os mecanismos por trás da perda do gelo marinho da Antártica (Imagem: Reprodução/Freepik/Wirestock)
Os cientistas climáticas tendem compreender os mecanismos por trás da perda do gelo marinho da Antártica (Imagem: Reprodução/Freepik/Wirestock)

Em fevereiro desse, quando o verão se aproximava de seu fim no hemisfério sul, a extensão mínima do gelo marinho na Antártica alcançou o recorde de 2 milhões de quilômetros quadrados, de acordo com os registros de observações de satélites feitos desde 1978.

Esses dados mostraram uma cobertura de gelo bem menor do que o habitual nos mares de Bellingshausen, de Amundsen, parte ocidental do Oceano Índico, e no mar de Weddel. Nessa região, a extensão do gelo marinho foi pelo menos 30% menor do que a média registrada de 1981 a 2010.

Estimando as influências

Para entender as possíveis causas dessa perda de gelo marinho, os pesquisadores usaram os registros diários da concentração desse gelo e a perda de blocos de gelo à deriva nos mares, datados de 1979 a 2022 pelo National Snow and Ice Data Center (NSIDC).

Extensão do gelo marinho da Antártida em 2012 (Imagem: Reprodução/Antarctic_Grows)
Extensão do gelo marinho da Antártida em 2012 (Imagem: Reprodução/Antarctic_Grows)

A análise desses dados permitiu a equipe observar o quanto de gelo marinho era perdido e recuperado, e as influências da termodinâmica que afetam esse processo de acordo com cada estação do ano. A equipe descobriu que, no verão, a termodinâmica domina o processo de degelo.

Segundo os pesquisadores, isso ocorre por causa de anomalias no transporte de calor para o polo sul através dos mares de Bellingshausen/Amundsen e do leste do mar de Weddel. No verão também há um aumento da radiação, resultando em um albedo e temperatura maiores.

O albedo diz o quão “branca” é uma superfície. Quanto mais branca, maior é o reflexo da radiação e quanto mais escura, maior é a absorção. “O gelo marinho é mais branco do que o mar escuro e não congelado, portanto, há menos reflexão de calor e mais absorção”, disse o climatologista Qinghua Yang, coautor do estudo.

Uma série de fenômenos têm contribuído para o recuo do gelo marinho na Antártica (Imagem: Reprodução/Hannah Zanowski/Universidade de Washington)
Uma série de fenômenos têm contribuído para o recuo do gelo marinho na Antártica (Imagem: Reprodução/Hannah Zanowski/Universidade de Washington)

Na primavera, além da termodinâmica, o gelo marinho se desprende no Mar de Amundsen e é deslocado para o norte, aumentando seu derretimento. O estudo também descobriu que o novo recorde de extensão mínima do gelo marinho ocorreu ao mesmo tempo que dois fenômenos: o La Niña e o Modo Anular do Sul (SAM).

O La Niña é um fenômeno climático cujos ventos fortes empurram as águas quentes da superfície do oceano da América do Sul para a Indonésia. Já o SAM, é um cinturão de ventos fortes que vêm do oeste ou de uma área de baixa pressão que envolve toda a Antártida.

A combinação desses fenômenos aprofunda ainda mais a chamada baixa do Mar de Amundsen (ASL), um centro de baixa pressão atmosférica no extremo sul do Pacífico e na costa ocidental da Antártica. As anomalias no gelo marinho se originam com a intensidade e a posição da ASL.

Agora, os pesquisadores querem entender como a variabilidade das condições atmosférica dessa região é a maior do que em qualquer outra parte do hemisfério sul.

O estudo foi relatado na revista Advances in Atmospheric Sciences.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos