Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,26
    -0,04 (-0,05%)
     
  • OURO

    1.745,00
    -4,80 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    44.814,12
    +1.284,37 (+2,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.119,18
    +10,26 (+0,92%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.310,75
    +7,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2262
    +0,0174 (+0,28%)
     

Gelatina pode proteger contra Alzheimer; entenda

·1 minuto de leitura

E se uma aliada em potencial na luta contra o Alzheimer fosse... a gelatina? Em um estudo recente publicado na revista científica Frontiers in Pharmacology, pesquisadores apontaram como a gelatina pode proteger o cérebro.

Os pesquisadores primeiro reproduziram o Alzheimer in vitro, cultivando células cerebrais com fragmentos de uma proteína tóxica da placa amiloide, característica da doença. Assim como o Alzheimer faz com o cérebro, essa substância induziu a morte celular em laboratório. Para tentar evitar esse efeito, o grupo fez, então, uma espécie de antídoto com gelatina, e veja só: a substância protegeu completamente as células da toxicidade.

(Imagem: Fakurian Design/Unsplash)
(Imagem: Fakurian Design/Unsplash)

Para entender como as gelatinas são neuroprotetoras (elas são uma mistura de poli e oligopeptídios derivados da hidrólise parcial do colágeno), eles se voltaram para as mitocôndrias, estruturas celulares que geram energia na forma de uma molécula chamada ATP. Como as células saudáveis ​​precisam de ATP para funcionar, a disfunção mitocondrial é prejudicial à sobrevivência celular e a principal causa da morte de células cerebrais na doença de Alzheimer.

Os pesquisadores, portanto, levantaram a hipótese de que as gelatinas previnem a morte celular por meio da proteção mitocondrial. As mitocôndrias tratadas com gelatina mostraram danos estruturais reduzidos, melhor produção de ATP e menor estresse oxidativo. Além disso, os pesquisadores acreditam que as gelatinas impedem o excesso de cálcio de entrar na célula, o que pode desencadear dano mitocondrial, estresse oxidativo e até mesmo a morte celular.

Apesar de ser um estudo promissor, vale comentar que, como em todo processo de mimetização in vitro, há limitações — afinal, nosso cérebro é bem maior e mais complexo que uma placa de cultura de células em laboratório. O estudo pode ser visto completo aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos