Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,32
    +0,17 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.811,90
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    39.799,30
    +1.357,82 (+3,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    981,48
    +54,71 (+5,90%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.532,60
    +106,05 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    27.634,23
    +50,15 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    15.097,00
    +23,50 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1451
    +0,0268 (+0,44%)
     

Geadas atingem cana, café e laranja, diz especialista em clima

·2 minuto de leitura

Por Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) - Geadas atingiram plantações de cana-de-açúcar, café e laranja na região centro-sul do Brasil nesta terça-feira, de acordo com um boletim da Rural Clima.

Marco Antonio dos Santos, que é sócio e diretor da consultoria de serviços meteorológicos, disse que recebeu vários vídeos mostrando geadas, mas pontuou que é muito cedo para determinar os danos causados às lavouras. As temperaturas devem subir a partir de quarta-feira, à medida que uma frente fria se distancia, disse ele.

Corretores de café disseram que a geada foi mais forte do que a última, atingindo fazendas no Estado de Minas Gerais, o maior produtor desta commodity.

As geadas foram documentadas até ao sul do Estado de Goiás, no coração da produção agrícola nacional, disse Santos, referindo-se à região centro-oeste, onde as temperaturas médias tendem a ser mais elevadas do que no sul do Brasil.

Santos também previu que geadas "tão fortes" quanto as de terça-feira podem voltar no final do mês na região centro-sul, onde alguns agricultores ainda não terminaram de colher sua segunda safra de milho.

A partir de sábado, uma nova frente fria atingirá o Estado do Rio Grande do Sul, segundo Santos.

A expectativa é que esse sistema se desloque para o norte e traga chuvas para importantes regiões agrícolas, chegando até o Estado de São Paulo, afirmou. Com a persistência das chuvas na primeira quinzena de agosto, as safras de inverno como o trigo no sul do Brasil serão beneficiadas, comentou.

O Brasil, maior produtor mundial de soja, começará a plantar sua próxima safra da oleaginosa em setembro nos Estados do Centro-Oeste como Mato Grosso.

Até lá, o Brasil deverá ter retornado a um regime de chuvas "normal", acrescentou Santos.

No primeiro semestre de 2021, os agricultores enfrentaram a pior seca em 91 anos, prejudicando parte de sua segunda safra de milho e reduzindo as perspectivas de exportação do Brasil.

Até o momento, os modelos indicam um padrão normal de chuvas para a segunda quinzena de setembro na região centro-oeste. Em outubro, no entanto, um curto período de seca deve ser causado por uma leve La Niña, observou Santos, referindo-se à mesma região.

Por Ana Mano em São Paulo e Marcelo Teixeira em Nova York)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos