Mercado abrirá em 6 h 46 min
  • BOVESPA

    113.031,98
    +267,72 (+0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.638,36
    -215,01 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,57
    -0,84 (-0,94%)
     
  • OURO

    1.796,20
    -1,90 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    23.950,73
    -701,35 (-2,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    567,31
    -23,45 (-3,97%)
     
  • S&P500

    4.297,14
    +16,99 (+0,40%)
     
  • DOW JONES

    33.912,44
    +151,39 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.509,15
    +8,26 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.934,02
    -106,84 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    28.875,01
    +3,23 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.667,00
    -14,25 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1797
    +0,0012 (+0,02%)
     

Gazprom reduz entregas de gás à Europa através do Nord Stream

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

As entregas de gás russo através do gasoduto Nord Stream caíram nesta quarta-feira (27), conforme anunciado, para quase 20% da capacidade, segundo dados da operadora alemã Gascade.

Cerca de 17,3 gigawatts-hora (GWh) chegaram à Alemanha da Rússia entre 08h00 e 09h00 horas (03h00 e 04h00 no horário de Brasília), em comparação com uma média de quase 29 GWh por hora nos últimos dias.

"Desde 08h00, o Nord Stream I transporta (...) 1,28 milhão de metros cúbicos por hora, o que representa cerca de 20% da capacidade máxima do gasoduto", disse a operadora alemã Gascade, que administra a rede na Alemanha.

O grupo italiano Eni também anunciou que foi informado pela Gazprom que as entregas de gás seriam limitadas a 27 milhões de metros cúbicos nesta quarta-feira, contra 34 milhões "nos últimos dias".

Antes da invasão russa da Ucrânia, o Nord Stream transportava cerca de 73 GWh por hora, abastecendo a Alemanha, que é particularmente dependente do gás russo, mas também outros países europeus através do Mar Báltico.

Mas a oferta caiu para 40% do normal em meados de junho, antes de uma paralisação completa de 10 dias para manutenção em julho. Desde então, os fluxos foram retomados.

Na segunda-feira, a gigante russa Gazprom anunciou que reduziria pela metade suas entregas diárias via Nord Stream a partir desta quarta-feira, alegando uma operação de manutenção em uma turbina.

Um porta-voz do Kremlin disse na terça-feira que a redução da oferta se deve a sanções ocidentais tomadas contra a Rússia após a invasão da Ucrânia. "Se não fossem estas restrições, tudo teria sido cumprido (...) dentro do prazo habitual", afirmou.

No entanto, os países ocidentais rejeitam esse argumento e acusam Moscou de usar o gás como arma econômica e política.

O conflito está elevando os preços do gás na Europa, que atingiu seu recorde mais alto desde março na terça-feira.

Perante a ameaça de escassez antes do inverno, os 27 Estados-membros da UE concordaram em reduzir o consumo de gás em pelo menos 15% entre agosto de 2022 e março de 2023, em comparação com a média dos últimos cinco anos do mesmo período.

ys/smk/cco/sag/zm/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos