Mercado fechará em 4 h 10 min
  • BOVESPA

    100.626,06
    +73,62 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.478,93
    -190,32 (-0,49%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,50
    +0,47 (+1,17%)
     
  • OURO

    1.896,30
    -33,20 (-1,72%)
     
  • BTC-USD

    12.875,70
    +1.818,69 (+16,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,92
    +3,82 (+1,49%)
     
  • S&P500

    3.417,31
    -18,25 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    28.053,66
    -157,16 (-0,56%)
     
  • FTSE

    5.764,41
    -12,09 (-0,21%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.542,00
    -149,25 (-1,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6060
    -0,0440 (-0,66%)
     

Gatos têm boa resposta imune ao coronavírus e podem ajudar na vacina, diz estudo

Natalie Rosa
·2 minutos de leitura

O debate em relação à contaminação de animais pelo coronavírus continua. Agora, em um estudo científico recente, pesquisadores confirmaram que cachorros e gatos podem ser contaminados pelo SARS-CoV-2, mas que nenhum deles conta com a probabilidade de ficar doente.

No entanto, os felinos são capazes de desenvolver uma resposta imune mais protetiva e forte, que pode ajudar nos estudos de desenvolvimento de uma vacina para humanos. Até então, ainda não há alguma evidência de que algum tipo de animal doméstico tenha passado o vírus para as pessoas, mesmo que gatos já tenham o transmitido para outros gatos.

O estudo foi publicado na última terça-feira (29) na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, e de acordo com o seu conteúdo cães infectados não chegaram a produzir o vírus em suas vias respiratórias superiores, mas também não o eliminaram, ao contrário de pesquisas similares que apontaram para o oposto. Na pesquisa recente, nem gatos e nem cachorros apresentaram sinais da COVID-19, sendo um sinal que evita a preocupação dos humanos.

<em>Imagem: Reprodução/Andreas Lischka </em>
Imagem: Reprodução/Andreas Lischka

Os autores do estudo notam ainda que, enquanto quase um milhão de pessoas já morreram com a COVID-19 em todo o mundo, existem apenas poucos relatos de animais que contraíram o vírus. Então, os pesquisadores tentaram entender o motivo de eles não transmitirem o vírus aos humanos.

Uma das conclusões seria que a quantidade de pessoas infectadas pelo SARS-CoV-2 é tão grande que possivelmente são as pessoas que estão passando o vírus para os gatos. Também há a possibilidade de que a infecção que acontece no dia a dia é bastante diferente da que ocorre em laboratório.

Na pesquisa, os cientistas inseriram pipetas nas cavidades nasais de cães e gatos anestesiados para inserir o vírus. É claro que, na vida real, a infecção não acontece dessa forma, então, depois disso, outros gatos foram colocados em contato com gatos infectados que estavam espalhando o vírus. Isso porque em alguns países, como no Brasil, gatos costumam a viver mais em um ambiente doméstico do que em Wuhan, por exemplo, que existem vários gatos de rua.

O resultado do experimento, após monitoramentos de sintomas, foi concluído que nenhum dos animais apresentavam sinais de terem desenvolvido a doença. Isso não significa, no entanto, que essa possibilidade está descartada.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: