Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.584,55
    +2.308,28 (+3,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

'Gatinha da Cracolândia': Justiça nega liberdade para suspeita presa por tráfico de drogas

·1 minuto de leitura

RIO — A Justiça de São Paulo negou nesta terça-feira um pedido de liberdade feito pela defesa de Lorraine Cutier Bauer Romeiro, de 19 anos. Presa desde 22 de julho, ela ficou conhecida como "Gatinha da Cracolândia".

Na decisão, o juiz Gerdinaldo Quichaba Costa, da 13ª Vara Criminal de São Paulo, justifica a negativa com o argumento de que ainda estão presentes os requisitos exigidos para uma prisão preventiva.

"Especialmente, a garantia da ordem pública, uma vez que a acusada foi presa em flagrante pelo crime de tráfico de drogas, sendo que já respondia outro processo em relação ao mesmo delito", escreve o magistrado.

Costa também negou a conversão da prisão preventiva em domiciliar. De acordo com o juiz, "a denunciada descumpriu o mesmo benefício em outro processo recentemente" e por esse motivo não poderia conceder o benefício.

Lorraine foi presa em flagrante na região conhecida como Cracolândia, em São Paulo. As investigações procuram esclarecer se ela tem ligação com uma facção paulista.

Segundo a Polícia Civil, Lorraine lucrava, em média, R$ 6 mil por dia com o tráfico de drogas na região central de São Paulo. Ela pegava um quilo por cerca de R$ 21 mil e vendia por até R$ 35 mil.

Ainda segundo a Polícia Civil, Lorraine era uma das chefes do tráfico na cracolândia. Para não chamar a atenção no local, ela usaria roupas escuras e um chapéu ou um capuz.

Procurada pelo GLOBO, a defesa de Lorraine não quis comentar a decisão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos