Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.958,80
    -68,74 (-0,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Gastos dos consumidores dos EUA superam expectativas em setembro; inflação ainda sobe

Mercado em São Francisco, EUA

WASHINGTON (Reuters) - Os gastos dos consumidores dos Estados Unidos aumentaram mais do que o esperado em setembro, enquanto as pressões inflacionárias subjacentes continuaram a aumentar, mantendo o Federal Reserve no caminho certo para aumentar a taxa de juros em 0,75 ponto percentual pela quarta vez este ano.

Os gastos dos consumidores, que representam mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, aumentaram 0,6% no mês passado, disse o Departamento de Comércio nesta sexta-feira.

Os dados de agosto foram revisados para mostrar que os gastos aumentaram 0,6%, ao invés de 0,4% como informado anteriormente. Economistas consultados pela Reuters projetavam alta de 0,4% em setembro.

Os dados foram incluídos no relatório do Produto Interno Bruto do terceiro trimestre divulgado na quinta-feira, que mostrou uma recuperação do crescimento econômico após a contração no primeiro semestre do ano.

O ritmo de crescimento anualizado de 2,6% do último trimestre foi impulsionado em grande parte por uma forte redução do déficit comercial.

O crescimento dos gastos dos consumidores desacelerou para uma taxa de 1,4% ante ritmo de 2,0% do trimestre de abril a junho. A demanda doméstica do último trimestre foi a mais branda em dois anos

O Fed aumentou sua taxa de juros de quase zero em março para a faixa atual de 3,00% a 3,25%, o ritmo mais rápido de aperto monetário em uma geração ou mais.

O arrefecimento da demanda fez com que alguns economistas passassem a prever que o banco central dos EUA poderia sinalizar aumentos mais lentos em sua reunião de política monetária da próxima semana, embora muito dependa da inflação, que permanece alta.

O índice PCE subiu 0,3% no mês passado, após alta similar em agosto. Nos 12 meses até setembro, o índice de preços PCE aumentou 6,2%, igualando o resultado de agosto.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o índice de preços PCE subiu 0,5% após ter aumentado pela mesma margem em agosto. O chamado núcleo do PCE avançou 5,1% na base anual em setembro, depois de aumentar 4,9% em agosto.

O Fed acompanha os índices de preços PCE para sua meta de inflação de 2%. Outras medidas de inflação estão muito mais altas. O índice de preços ao consumidor aumentou 8,2% em setembro na comparação anual.

(Reportagem de Lucia Mutikani)