Mercado abrirá em 9 h 13 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,93
    +0,36 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.782,50
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    57.125,98
    -55,82 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.452,63
    -16,45 (-1,12%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.168,68
    +109,23 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    23.696,27
    +37,35 (+0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.772,60
    -163,02 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.956,25
    +86,50 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4201
    -0,0267 (-0,41%)
     

Gastos do consumidor dos EUA têm sólida alta em setembro; inflação permanece aquecida

·2 min de leitura
Consumidores visitam a loja da H&M na Times Square em Nova York, NY

WASHINGTON (Reuters) - Os gastos dos consumidores nos Estados Unidos aumentaram de forma expressiva em setembro, mas foram parcialmente limitados pelos preços mais altos, já que a inflação continuou alta em meio à escassez de veículos e outros bens diante das restrições mundiais de oferta.

O Departamento do Comércio informou nesta sexta-feira que os gastos do consumidor, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, subiram 0,6% no mês passado. Os dados de agosto foram revisados para cima, para alta de 1,0%, em vez de 0,8%, conforme divulgado anteriormente.

Economistas consultados pela Reuters previam aumento de 0,5% nos gastos do consumidor. O ressurgimento de casos de Covid-19 durante o verão (do Hemisfério Norte), impulsionado pela variante Delta, agravou a escassez de trabalhadores em fábricas, minas e portos, estressando ainda mais as cadeias de abastecimento.

Fora a paralisação na primavera de 2020, que deprimiu severamente a produção, o terceiro trimestre foi o pior período para a produção de veículos desde o início de 2009, devido à escassez global de semicondutores. Os estoques de automóveis diminuíram e algumas prateleiras estão vazias, limitando os gastos e elevando os preços.

As pressões inflacionárias permaneceram fortes em setembro, reduzindo o poder de compra dos consumidores.

O núcleo do índice de inflação PCE --que exclui os componentes voláteis de alimentos e energia-- subiu 0,2%, após alta de 0,3% em agosto. Nos 12 meses até setembro, a medida aumentou 3,6%, após ganho semelhante em agosto.

O núcleo do PCE é a medida de inflação preferida do Federal Reserve para sua meta flexível de 2%. O Fed deve anunciar na reunião de política monetária da próxima semana que começará a reduzir a quantidade de dinheiro que está injetando na economia por meio das compras mensais de títulos.

Os dados de consumo e inflação foram incluídos no relatório preliminar do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA para o terceiro trimestre, divulgado na quinta-feira. O crescimento nos gastos do consumidor desacelerou para 1,6% em taxa anualizada após ganhos de dois dígitos nos dois trimestres anteriores, com os gastos com bens manufaturados de longa duração, como veículos, caindo a um ritmo de 26,2%.

(Por Lucia Mutikani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos