Mercado abrirá em 7 h 6 min
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,45
    +0,15 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.753,50
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    44.176,79
    +263,39 (+0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.102,87
    -6,05 (-0,55%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.511,75
    +0,77 (+0,00%)
     
  • NIKKEI

    30.253,78
    +614,38 (+2,07%)
     
  • NASDAQ

    15.272,25
    -31,25 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2248
    -0,0002 (-0,00%)
     

Gastos do consumidor dos EUA desaceleram em julho; inflação mensal é moderada

·2 minuto de leitura
Shopping King of Prussia, Pensilvânia, EUA

WASHINGTON (Reuters) - Os gastos do consumidor dos Estados Unidos desaceleraram em julho, uma vez que a escassez de veículos conteve um aumento nas despesas com serviços presenciais, sustentando visões de que o crescimento econômico será moderado no terceiro trimestre em meio a um ressurgimento das infecções por Covid-19.

Os gastos do consumidor, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, aumentaram 0,3% no mês passado, informou o Departamento do Comércio nesta sexta-feira. Os dados de junho foram revisados para cima para mostrar alta de 1,1%, em vez de 1,0%, conforme divulgado anteriormente.

Economistas consultados pela Reuters projetavam um avanço de 0,3% nos gastos do consumidor. A demanda está voltando para serviços como viagens e lazer, mas os gastos não têm sido suficientes para compensar a queda de bens, cujas compras também estão sendo impactadas pela escassez, principalmente de veículos.

O governo dos EUA informou na quinta-feira que os gastos do consumidor subiram 11,9% em taxa anualizada no segundo trimestre, um avanço robusto, respondendo por grande parte do ritmo de crescimento de 6,6% da economia, o que elevou o nível do Produto Interno Bruto acima do seu pico no quarto trimestre de 2019.

A inflação continuou subindo em julho, estimulada pelas constantes restrições de oferta e pela trajetória da economia em direção à normalidade após a turbulência causada pela pandemia.

Há sinais, no entanto, de que a inflação atingiu seu pico ou está perto de atingir.

O índice de inflação PCE, excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, subiu 0,3% em julho, após avançar 0,5% em junho. Nos 12 meses até julho, o chamado núcleo do PCE avançou 3,6%, após alta semelhante em junho.

O núcleo do PCE é a medida de inflação preferida para a meta flexível de 2% do Federal Reserve.

O discurso amplamente aguardado do chair do Fed, Jerome Powell, na conferência econômica de Jackson Hole, nesta sexta-feira, será observado por investidores em busca de pistas sobre quando o banco central dos EUA começará a reduzir seus 120 bilhões de dólares em compras mensais de títulos.

Powell afirmou que a inflação alta , que está afetando os gastos, será transitória.

(Por Lucia Mutikani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos