Mercado abrirá em 7 h 51 min
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,58
    +2,09 (+2,63%)
     
  • OURO

    1.670,70
    -1,30 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    19.107,13
    -219,28 (-1,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,32
    -9,11 (-2,05%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.018,62
    -204,21 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    26.090,20
    +152,99 (+0,59%)
     
  • NASDAQ

    10.977,50
    -58,00 (-0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3114
    +0,0035 (+0,07%)
     

Gastos com cibersegurança devem chegar a US$ 172 bilhões até o fim de 2022

Os ataques cibernéticos estão cada vez mais comuns e avançados, oferecendo maiores riscos à cibersegurança e a integridade das pessoas e empresas online. Uma nova pesquisa da Verizon, em parceria com a brasileira Apura Cyber Intelligence, revela que em 2021 os ataques conhecidos como ransomware de dupla extorsão cresceram 13%.

Neste tipo de ataque, os criminosos visam dados sigilosos de empresas, através de sistemas infectados ou credenciais vazadas. Esses dados são "raptados" e a empresa precisa pagar duas vezes: uma para liberar o acesso e a outra para que as informações não sejam vazadas.

Em 2021, grandes corporativas como Americanas, Submarino, Renner e CVC tiveram seus sistemas infectados e ficaram fora do ar por dias. Por último, a brasileira Fast Shop teve o funcionamento de suas lojas físicas e até de seu Twitter impactados por um ataque hacker.

O relatório Global Digital Trust Insights de 2022 demonstrou que as áreas de prevenção ao cibercrime tendem a crescer, onde 69% dos entrevistados assumiram estar aumentando os gastos em proteção cibernética ao longo do ano. Segundo a Gartner, empresa de pesquisa e consultoria, os gastos com segurança da informação e gerenciamento de riscos totalizarão US$ 172 bilhões em 2022, cerca de R$ 892,4 bilhões.

A ascensão das Operações de Inteligência Artificial para TI (AIOps) na cibersegurança

Os sistemas de AIOps devem ganhar destaque nos próximos anos (Imagem: Divulgação/Gerd Altmann/Pixabay)
Os sistemas de AIOps devem ganhar destaque nos próximos anos (Imagem: Divulgação/Gerd Altmann/Pixabay)

A partir deste cenário, é esperado que a tecnologia das Operações de Inteligência Artificial para TI (AIOps) ganhe destaque devido a sua capacidade de investigação e resolução rápida de falhas e problemas. Para Rafael Scalia, expert em cibersegurança e gerente global de customer success da Run2biz – empresa especializada em soluções tecnológicas, uma das principais vantagens é que não há necessidade de ser um especialista em TI para se beneficiar da AIOps.

Através do aprendizado de máquina, a ferramenta oferece a chance de identificar e interferir em comportamentos "inusitados" dos sistemas em tempo real. “Seu ponto-chave está justamente no mapeamento das ameaças cibernéticas e falhas do sistema, já que qualquer comportamento anormal irá disparar alertas”, afirma Scala.

Segundo a Run2biz, algumas das principais razões que levam empresas a procurar soluções de AIOps, são:

  • Prevenção a ataques virtuais;

  • Reconhecimento de anomalias e correção de erros e falhas no menor tempo possível;

  • Obtenção de estatísticas e determinados padrões vindos de servidores e aplicações;

  • Realização de análises preditivas;

  • Identificação de causas raízes dos mais diversos tipos de problemas nas infraestruturas de TI;

  • Automação das atividades, principalmente as burocráticas e repetitivas, as quais consomem muito tempo e energia dos colaboradores;

  • Realização de respostas e ações automáticas, como ativar ou desativar um determinado recurso, por exemplo.

“Por fim, entre os melhores ganhos estão a redução de custos e de tempo dispendidos na solução de problemas que poderiam ser evitados e a melhora no desempenho da operação e da produtividade interna, contribuindo, assim, para uma melhor qualidade do produto ou serviço ofertado ao cliente final”, finaliza José Francisco, CTO da Run2biz.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: