Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.485,61
    +658,63 (+2,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Gasolina sobe pela 5ª semana seguida e bate R$ 8

·2 min de leitura
  • Gás de cozinha e diesel também subiram, batendo preços recordes

  • Etanol, principal alternativa aos combustíveis fósseis, enfrenta uma inflação similar, de quase 60%

  • Presidente Bolsonaro se isentou hoje de culpa pelo estado dos preços

Segundo um levantamento feito pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço da gasolina, do botijão de gás e do diesel subiram novamente na última semana, acumulando sua quinta semana seguida de elevações no preço.

Há duas semanas atrás o preço do litro médio da gasolina estava em R$ 6,562. Na semana passada o preço passou para R$ 6,710, um aumento de 2,25%. O valor máximo encontrado pela ANP foi de R$ 7,99 no Rio Grande do Sul. No ano, a alta acumulada é de 49,6%.

Já o botijão de gás de cozinha (gás liquefeito de petróleo - GLP) também sumiu. O botijão de 13 quilos (P-13), o mais comum, passou de R$ 102,04 para R$102,48, uma alta de 0,43%, com um acumulado anual de 37%.

O diesel S-10, com menor teor de enxofre, por sua vez, teve um aumento de 2,45%, com o litro médio passando de R$ 5,211 para R$ 5,339. Para o diesel esta foi a sexta semana seguida de aumentos. No ano, a alta acumulada é de 48,05%.

Leia também:

Já há duas semanas atrás havia sido anunciado pelo Observatório Social da Petrobras (OSP), instituição ligada à Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais ( Ibeps) e Instituto Latino Americano de Estudos Socioeconômicos (Ilaese) que os preços praticados nesses combustíveis haviam batido o recorde de mais caros nos últimos 100 anos. Tanto em valores nominais, quanto em valores reais (ajustado à inflação).

Enquanto isso, o etanol hidratado, a principal alternativa, também está vivendo uma inflação vertiginosa, de 59,3%, devido à flutuações no mercado mundial de açúcar.

"Desde março, o GLP vem mês a mês atingindo o maior valor do século. No caso do diesel, esse recorde vem sendo quebrado mês a mês desde maio. Na gasolina, o maior patamar de preço chegou em outubro. Há uma tendência de alta, se a gente pegar a evolução dos valores ao longo do mês de outubro. E ainda há espaço para mais alta da Petrobras nas refinarias" disse Eric Gil Dantas, economista do Ibeps e OSP

Segundo o OPS, desde 2016 no governo Temer, quando a política de PPI (Preço de Paridade de Importação), foi implementado, a gasolina teve um aumento real (ou seja, considerando a inflação), de 39%. O diesel aumentou 28,7% com a nova política, e o gás de cozinha um aumento de 48%.

Hoje o presidente Bolsonaro voltou a discursar se eximindo de qualquer responsabilidade sobre o aumento dos preços dos combustíveis no país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos