Mercado fechará em 6 h 25 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,34
    -0,13 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.882,50
    +5,10 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    22.672,25
    -506,90 (-2,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    522,28
    -14,61 (-2,72%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.942,12
    +56,95 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    21.624,36
    +340,84 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    27.584,35
    -22,11 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.684,25
    +139,00 (+1,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6137
    +0,0463 (+0,83%)
     

Gasolina, etanol e diesel caem nos postos na 2ª semana de janeiro, diz ANP

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os preços médios da gasolina e etanol caíram na segunda semana de janeiro, após registrarem avanços de mais de 3% na semana aneterior, enquanto o diesel também teve queda, apontou uma pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta sexta-feira.

A gasolina comum foi comercializada em média a 5,04 reais o litro, uma queda de 1,6% ante 5,12 reais na semana anterior, segundo os dados da ANP. Já o etanol, seu concorrente nas bombas, foi vendido a 3,94 reais o litro, queda de 1,7% ante 4,01 reais na semana anterior.

Na semana anterior, gasolina e etanol haviam subido nos postos mais de 3% apesar do novo governo federal ter prorrogado a desoneração de PIS/Cofins para combustíveis.

O diesel S10 (com menor teor de enxofre), por sua vez, registrou média de 6,47 reais o litro nesta semana, queda de 0,6% contra 6,51 uma semana antes. Na semana passada, o combustível havia marcado sua primeira alta desde a semana encerrada em 19 de novembro, quando teve média de 6,69 reais o litro.

A ampliação da isenção de cobrança dos tributos federais PIS/Cofins para gasolina, etanol e diesel, entre outros combustíveis, foi feita de forma surpreendente pelo novo governo. A expectativa era do fim da desoneração neste ano, o que pode ter levado agentes a manterem planos de elevar os preços na semana anterior.

Não houve reajustes recentes de preços por parte da Petrobras, maior produtora de combustíveis do país.

Em seu último movimento, a petroleira estatal reduziu o preço médio do diesel vendido às distribuidoras em 8,18% e o da gasolina em 6,1% no início de dezembro, após meses de preços congelados.

(Por Marta Nogueira)