Mercado abrirá em 5 h 7 min
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,39
    +0,49 (+0,76%)
     
  • OURO

    1.834,70
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    58.636,09
    +591,62 (+1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.563,84
    +128,06 (+8,92%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.139,05
    +9,34 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    28.512,07
    -98,58 (-0,34%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    +160,52 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.657,50
    -52,25 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3645
    -0,0006 (-0,01%)
     

Gasolina e diesel voltam a ter leve recuo nos postos, mostram dados da ANP

·2 minuto de leitura
Carro sendo abastecido com gasolina em um posto no Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - Os preços médios da gasolina e do óleo diesel nos postos pelo Brasil tiveram leve redução na semana, mostraram dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta sexta-feira, na terceira baixa consecutiva depois de uma longa sequência de aumentos.

A reversão de tendência acompanhou movimentos da Petrobras, que em 24 de março anunciou diminuições de cerca de 4% nos valores dos dois combustíveis em suas refinarias. Nesta sexta, a estatal, que domina o mercado de refino no país, informou novo corte no diesel, de cerca de 3,3% a partir de sábado.

Os preços para os consumidores finais nas bombas, no entanto, seguem elevados e perto de máximas tocadas recentemente, com a gasolina tendo encerrado a semana em média a 5,448 reais por litro, com leve recuo de 0,06% frente à semana anterior, segundo a ANP.

O diesel, combustível mais utilizado no Brasil, fechou com valor médio de 4,212 reais por litro, queda de 0,38%, ainda de acordo com a reguladora.

No etanol, a ANP registrou preço médio de 3,804 reais por litro, com recuo mais significativo, de quase 2% na semana.

Os preços nos postos não necessariamente acompanham reajustes nas refinarias, e dependem de uma série de fatores, incluindo impostos, mistura de biocombustíveis e margens de distribuição.

Apesar dos cortes recentes de cotações nas refinarias da Petrobras, o valor cobrado pela estatal no diesel ainda acumula alta de mais de 30% em 2021. A gasolina teve aumento de quase 41% no ano.

A Petrobras defende que suas cotações buscam a chamada paridade de importação e acompanham as variações do petróleo no mercado internacional e da taxa de câmbio. A empresa também disse nesta sexta-feira que sua política "evita o repasse imediato da volatilidade externa para os preços internos".

Apesar da recente reversão na trajetória de alta dos combustíveis, representantes do setor de distribuição alertaram para possíveis aumentos a partir do próximo mês.

A Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis), que representa os postos no país, afirmou em nota que enviou ofício ao presidente Jair Bolsonaro manifestando preocupação sobre possíveis impactos que o preço do biodiesel terá na formação dos custos do diesel a partir de 1º de maio.

Também no início do próximo mês está previsto o retorno da cobrança de PIS/Cofins sobre o diesel, que foi suspensa temporariamente por Bolsonaro como forma de segurar os preços e acalmar protestos de caminhoneiros que ameaçaram realizar uma greve em fevereiro.

(Por Luciano Costa; edição de Nayara Figueiredo)