Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.354,61
    -690,10 (-1,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Gangue do Haiti pede U$17 milhões para libertar missionários sequestrados

·1 min de leitura
Ministro da Jusitça do Haiti, Liszt Quitel

(Reuters) - Uma gangue do Haiti que sequestrou um grupo de missionários dos Estados Unidos e do Canadá está pedindo 17 milhões de dólares para libertá-los, noticiou o Wall Street Journal nesta terça-feira, citando uma autoridade haitiana.

O ministro da Justiça, Liszt Quitel, disse que o FBI e a polícia do Haiti estão em contato com os sequestradores e tentando a libertação dos missionários raptados no final de semana por uma gangue chamada 400 Mawozo nos arredores da capital Porto Príncipe, relatou o jornal.

As negociações podem levar semanas, disse Quitel ao WSJ.

O grupo de 16 norte-americanos e um canadense inclui seis mulheres e cinco crianças. Eles foram sequestrados em uma área chamada Croix-des-Bouquets, a cerca de 13 quilômetros da capital, que é dominada pelos 400 Mawozo.

Cinco padres e duas freiras, incluindo dois cidadãos franceses, foram raptados em abril em Croix-des-Bouquets e libertados no final do mesmo mês.

Quitel disse ao WSJ que um resgate foi pago pela libertação de dois dos padres.

Os sequestros se tornam mais ousados e corriqueiros no Haiti em meio a uma crise política e econômica crescente. Ao menos 628 incidentes ocorreram só nos primeiros nove meses de 2021, de acordo com um relatório da entidade haitiana sem fins lucrativos Centro de Análise e Pesquisa sobre Direitos Humanos (Cardh)

Os raptos no Haiti raramente envolvem estrangeiros, costumando visar haitianos de classe média que não podem ter guarda-costas e pagar resgates com ajuda de familiares ou vendendo propriedades.

(Por Brian Ellsworth e Gessika Thomas)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447702)) REUTERS AC

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos