Mercado abrirá em 5 h 13 min
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,88 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,40 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,30
    +1,02 (+0,92%)
     
  • OURO

    1.853,50
    +11,40 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    30.512,16
    +1.133,42 (+3,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    683,82
    +10,45 (+1,55%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,80 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.454,94
    +64,96 (+0,88%)
     
  • HANG SENG

    20.439,61
    -277,63 (-1,34%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    11.984,75
    +144,00 (+1,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1574
    +0,0046 (+0,09%)
     

Galvani dobra produção na Bahia em meio à crise de fertilizantes

(Bloomberg) -- A empresa brasileira de fertilizantes Galvani está aumentando a produção à medida que o país luta pelos insumos atualmente difíceis de adquirir.

A empresa dobrará a produção de fertilizantes fosfatados em sua planta em Luis Eduardo Magalhães, na Bahia, para 1,2 milhão de toneladas em dois anos, disse o presidente-executivo Marcos Stelzer em entrevista. Embora a expansão tenha sido planejada antes do início da atual crise no setor, o aumento da produção será uma notícia bem-vinda para os agricultores que encontram dificuldades para comprar os insumos de que precisam em um mercado global desequilibrado.

O Brasil importa atualmente cerca de 85% de sua demanda de fertilizantes e 75% de seu uso de fosfato. Com a invasão da Ucrânia pela Rússia fazendo os preços dispararem, o governo brasileiro tem buscado fornecedores alternativos do Canadá ao Irã; caso contrário, corre-se o risco de reduzir o uso de fertilizantes, o que pode diminuir a produtividade agrícola e contribuir para o aumento dos preços dos alimentos em todo o mundo.

Além da unidade em Luis Eduardo Magalhães, a Galvani também é parceira de um projeto de fertilizantes em fase inicial no Nordeste, classificado como estratégico pelo governo federal. Conhecido como Santa Quitéria, o projeto de fosfato e urânio está aguardando as licenças ambientais e de operação para prosseguir, disse o executivo.

Se colocado em operação, o projeto Santa Quitéria introduzirá uma produção adicional de 1,05 milhão de toneladas de fertilizantes fosfatados por ano. Juntos, os projetos aumentarão a produção de fertilizantes da Galvani para 2,2 milhões de toneladas em 2026, de 600.000 toneladas em 2021. Isso representaria mais de um terço da produção atual de fosfatados do país.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos