Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.004,88
    -1.425,66 (-1,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.806,10
    +241,83 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,93
    -1,94 (-2,46%)
     
  • OURO

    1.960,70
    +15,40 (+0,79%)
     
  • BTC-USD

    23.406,06
    +280,89 (+1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    531,86
    +289,18 (+119,16%)
     
  • S&P500

    4.117,45
    +40,85 (+1,00%)
     
  • DOW JONES

    34.112,61
    +26,57 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.436,50
    +284,50 (+2,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5539
    +0,0383 (+0,69%)
     

Galp vence leilão da 1ª carga da partilha de produção de Atapu; União arrecada R$210 mi

Tanques de combustíveis em refinaria da Galp

(Reuters) - A portuguesa Galp venceu o leilão de comercialização da primeira carga de petróleo da União oriunda do contrato de partilha de produção do Campo de Atapu, no pré-sal, em processo realizado na véspera pelo Ministério de Minas e Energia e pela PPSA.

Segundo comunicado da pasta, a União deverá arrecadar cerca de 210 milhões de reais para o Tesouro Nacional quando o carregamento de 500 mil barris estiver disponível no segundo bimestre.

Dez empresas que possuem operação no pré-sal foram convidadas para participar do leilão, sendo que quatro delas foram habilitadas e enviaram propostas. A Galp ofereceu o maior preço para o petróleo da União. O pagamento é realizado com base no preço de referência do mês em que a carga é entregue ao comprador.

Em nota, o Ministério de Minas e Energia disse que o ministro Alexandre Silveira deverá discutir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva alternativas para melhor destinação dos recursos produzidos pelo regime de partilha de produção do pré-sal.

“Esses recursos, de grande vulto, são estratégicos para o Brasil. Precisamos realizar de fato uma melhor partilha dessa riqueza, tanto para as gerações presentes como as futuras, gerando oportunidades e melhorando a qualidade de vida das brasileiras e dos brasileiros”, afirmou Silveira, em nota.

(Por Letícia Fucuchima)