Mercado abrirá em 5 h 17 min
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,02
    +0,59 (+0,96%)
     
  • OURO

    1.782,20
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    48.076,84
    -6.444,79 (-11,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.092,81
    -150,25 (-12,09%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.917,61
    -20,63 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    28.979,41
    +224,07 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    29.020,63
    -167,54 (-0,57%)
     
  • NASDAQ

    13.758,50
    +8,25 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5540
    +0,0124 (+0,19%)
     

Galeria física de arte NFT é inaugurada em Nova York

·2 minuto de leitura
Obra em exposição na galeria Superchief, em Nova York

Uma galeria totalmente dedicada a obras digitais comercializadas como NFTs, ou "non-fungible tokens", foi inaugurada esta semana em Nova York, apresentando-se como o primeiro espaço físico de exposição no mundo dedicado a esses ativos virtuais, que atraem cada vez mais colecionadores.

Imateriais por natureza, as obras são apresentadas em uma tela gigante ou por projeção, em um espaço localizado a dois passos da Union Square, em Manhattan. Obras de cinco artistas serão expostas diariamente, com uma rotatividade por 60 dias, totalizando 300 criadores até 25 de maio.

O NFT permite associar a qualquer item virtual um certificado de autenticidade que o torna uma peça única. A popularidade desses ativos nos últimos seis meses transformou o mercado da coleção digital, a ponto de atrair bilhões de dólares em investimentos.

Cada obra apresentada na galeria será posteriormente leiloada, explicou Ed Zipco, fundador e diretor da galeria Superchief, que expõe obras digitais desde 2016. "O objetivo de uma galeria é mostrar como se vê pessoalmente a obra, como o artista gostaria que ela fosse vista", descreveu o galerista. "As pessoas que colecionam essas obras querem viver com elas."

Cerca de 70% dos artistas que serão apresentados no espaço não são criadores digitais, assinalou Zipco. A maioria é escultor, pintor ou fotógrafo. "Cada vez mais artistas conhecidos dos museus estão se envolvendo. É tão novo, que muita gente ainda tem dificuldade de entender. É tecnologia, de forma que sempre há um pouco de aprendizado, de pedagogia a ser feita, mas logo se tornará algo totalmente comum", comentou.

A arte digital existe há décadas, mas a chegada do NFT tranquilizou os colecionadores quanto ao risco de cópias. É possível duplicar uma obra digital, mas o certificado NFT com a qual a mesma é vendida impede falsificações.

No último dia 11, uma obra digital do artista americano Beeple foi vendida por 69,3 milhões de dólares na casa de leilões Christie's.

tu/dax/rs/mls/lb