Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,34
    -2,40 (-3,05%)
     
  • OURO

    1.629,30
    -26,30 (-1,59%)
     
  • BTC-USD

    19.129,02
    +314,88 (+1,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,96
    +5,86 (+1,35%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.315,50
    -61,25 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1794
    +0,0818 (+1,60%)
     

Galaxy Tab Fold pode não usar tecnologia de vidro ultrafino do Galaxy Z Fold 4

Com o sucesso dos celulares dobráveis Galaxy Z Fold 4 e Galaxy Z Flip 4, o próximo passo da Samsung pode ser um modelo de tablet dobrável. Entretanto, o suposto Galaxy Tab Fold não deve usar uma tela com tecnologia de vidro ultrafino (UTG) como os “irmãos” menores.

Conforme as informações do portal sul-coreano The Elec, a Samsung planeja usar filmes de poliimida (PI) transparente em futuras telas OLED dobráveis para tablets e notebooks. O uso do novo material em vez do vidro ultrafino seria uma escolha relacionada à resistência.

Embora o UTG empregado nos recentes modelos dobráveis da linha Galaxy Z ofereça melhor visibilidade e flexibilidade, a tecnologia ainda tem características semelhantes ao vidro “comum”. Dessa maneira, ela é mais vulnerável a choques externos.

Filme de Poliimida (PI) que é colocado sobre as telas flexíveis (Imagem: Reprodução/The Elec)
Filme de Poliimida (PI) que é colocado sobre as telas flexíveis (Imagem: Reprodução/The Elec)

Devido à dimensão da tela em um suposto tablet dobrável, há a preocupação com a durabilidade do material. Pensando em eliminar possíveis problemas de resistência, a sul-coreana deve dar um passo para trás e usar filmes PI em displays maiores.

Vale mencionar que atualmente os smartphones dobráveis têm painéis de 7 a 8 polegadas, enquanto os futuros tablets e notebooks dobráveis podem ter telas entre 10 e 20 polegadas. Isso realmente exigirá um cuidado maior com as telas OLED dobráveis.

Por fim, o The Elec menciona que o mercado de tablets e notebooks dobráveis ainda é muito pequeno. Menos de 100 mil unidades de dispositivos com essas características são vendidas anualmente.

Filmes PI foram usados no Galaxy Fold original e mostravam baixa resistência ao uso com dobras constantes (Imagem: Reprodução/Marques Brownlee)
Filmes PI foram usados no Galaxy Fold original e mostravam baixa resistência ao uso com dobras constantes (Imagem: Reprodução/Marques Brownlee)

Escolha polêmica

Certamente, a escolha dos filmes PI não traz boas lembranças para os donos do Galaxy Fold original. Lançado em 2019, o primeiro dobrável da Samsung ficou marcado pelas inúmeras unidades com telas quebradas acidentalmente.

Segundo o The Elec, a marca estudou usar uma combinação de UTG com PI, mas optou por usar apenas os filmes de poliimida nos painéis. Então, adotar uma tecnologia tão problemática na primeira geração de tablets e notebooks com telas dobráveis pode ser um grande risco.

Por outro lado, o primeiro tablet dobrável da fabricante ainda parece estar bem distante de ser comercializado. Com isso, a gigante sul-coreana pode seguir trabalhando para encontrar novas soluções mais resistentes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: