Mercado abrirá em 1 h 26 min
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,44 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,45 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,31
    +0,28 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.920,00
    -9,50 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    12.960,02
    +1.903,01 (+17,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,23
    +15,34 (+6,26%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,98 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.756,87
    -19,63 (-0,34%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -92,73 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.673,25
    -18,00 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6413
    -0,0087 (-0,13%)
     

Galaxy M41 deve reforçar "divórcio" entre divisões internas da Samsung

Rubens Eishima
·2 minutos de leitura

Aguardado para este ano, o smartphone básico Galaxy M41 pode se tornar um modelo pioneiro da Samsung. Isso porque, segundo rumores veiculados na imprensa sul-coreana, o modelo será equipado com uma tela OLED da chinesa TCL.

Caso o boato se confirme, será o primeiro celular da empresa a utilizar uma tela OLED não produzida pela Samsung Displays, divisão do grupo especializada na fabricação de painéis LCD e OLED.

Segundo o site coreano The Elec, a Samsung Electronics encomendou telas OLED à CSOT (China Star Optoelectronics Technology, divisão da TCL) para uso no novo smartphone de entrada. O Galaxy M41 deve ser equipado com um painel de 6,67 polegadas e resolução de 1.080 por 2.340.

A TCL é mais conhecida no Brasil por ter herdado a parceria com a SEMP no lugar da japonesa Toshiba, adotando o jogador de futebol Neymar como garoto propaganda.

Começo de debandada?

O boato chega em um momento em que circulam informações de que o próximo topo de linha dos sul-coreanos também pode ser equipado com telas OLEDs de fabricantes chineses, neste caso da BOE.

Tanto a BOE quanto a TCL/CSOT já forneceram telas aos celulares da Samsung Electronics, mas apenas do tipo LCD. O motivo para a troca de fornecedores no caso do M41 seria o custo do componente, cuja demanda continua em crescimento, apesar dos problemas enfrentados pelas empresas durante a pandemia da COVID-19. Já no caso do Galaxy S se somaria o fato de diminuir a dependência de um único fornecedor.

A Samsung Displays é líder disparada do setor, com 74% do faturamento total do mercado, segundo números da consultoria Display Supply Chain. A chinesa BOE ocupa o terceiro lugar do segmento, logo atrás da LG-Display.

Fonte: Canaltech