Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.999,96
    +35,93 (+0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

G7 pede que nações democráticas apoiem reforma do sistema de comércio mundial

·1 minuto de leitura
Bandeiras dos países do G7 no gabinete do primeiro-ministro britânico durante cúpula online

LONDRES (Reuters) - Os ministros do Comércio do Grupo dos Sete (G7) pediram que os países democráticos apoiem a reforma do atual sistema comercial mundial e, juntos, criticaram aqueles que comprometem esse sistema.

"Nós, os ministros do Comércio do G7, estamos unidos em nosso compromisso com o comércio livre e justo como princípios e objetivos fundamentais do sistema de comércio multilateral baseado em regras, bem como com a modernização das regras de comércio internacional", disseram eles em um comunicado emitido pelo Reino Unido, que detém a presidência rotativa do G7 neste ano.

Os membros do G7 disseram estar preocupados com "o uso crescente de políticas e práticas não mercantis" e miram aqueles que utilizam subsídios pesados, encobrem o envolvimento do Estado na economia e roubam tecnologia.

O comunicado não se referiu diretamente à China, mas membros como o Reino Unido acusaram Pequim de prejudicar o sistema de comércio multilateral utilizando todas as políticas mencionadas.

A China, membro da Organização Mundial do Comércio (OMC) desde 2001, nega as críticas do Reino Unido de que rouba propriedade intelectual, prejudica injustamente o meio ambiente ou comercializa indevidamente produtos feitos com trabalho forçado.

(Por William James)