Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.816,90
    -18,90 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    41.887,26
    +1.793,11 (+4,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

G7 monta grande plano de infraestrutura para rivalizar com China

·2 minuto de leitura
.

Por Steve Holland e Guy Faulconbridge

CARBIS BAY, Inglaterra (Reuters) - O G7, grupo das sete democracias mais ricas do mundo, procurou neste sábado conter a crescente influência da China, oferecendo a nações em desenvolvimento um plano de infraestrutura que rivalizar com uma iniciativa do presidente Xi Jinping.

O G7, cujos líderes estão se reunindo no sudoeste da Inglaterra, tem buscado uma resposta comum à crescente ofensiva da China, ema ascensão econômica e militar nos últimos 40 anos.

O presidente dos EUA, Joe Biden, e outros líderes do G7 esperam que seu plano forneça uma parceria de infraestrutura para ajudar a estreitar os 40 trilhões de dólares necessários para as nações em desenvolvimento até 2035, disse a Casa Branca.

"Não se trata apenas de confrontar ou enfrentar a China", disse um alto funcionário do governo Biden. "Mas até agora não oferecemos uma alternativa positiva que reflita nossos valores, nossos padrões e nossa maneira de fazer negócios."

O G7 e seus aliados usarão a iniciativa para mobilizar capital do setor privado em áreas como clima, saúde e segurança sanitária, tecnologia digital e eqüidade e igualdade de gênero, acrescentou a Casa Branca.

Não ficou imediatamente claro como exatamente o plano funcionaria ou quanto capital ele alocaria no final.

O plano da China, que Xi lançou em 2013, envolve iniciativas de desenvolvimento e investimento que se estenderiam da Ásia à Europa e além. Mais de 100 países assinaram acordos com a China para cooperar em projetos como ferrovias, portos, rodovias e outras infraestruturas.

Críticos dizem que o plano de Xi de criar uma versão moderna da antiga rota comercial da Rota da Seda para ligar a China à Ásia, Europa e além é um meio de expandir a China comunista. Pequim diz que isso reflete a "ressaca imperial" de muitas potências ocidentais, que humilharam a China durante séculos.

Os líderes do G7 - EUA, Canadá, Grã-Bretanha, Alemanha, Itália, França e Japão - querem usar sua reunião no balneário de Carbis Bay para mostrar que as democracias mais ricas podem oferecer uma alternativa à crescente influência da China.

O surgimento da China como potência global é tido como um dos eventos geopolíticos mais relevantes dos últimos tempos após a queda da União Soviética em 1991, que pôs fim à Guerra Fria.

A China em 1979 tinha uma economia menor do que a da Itália, mas depois de se abrir ao investimento estrangeiro e introduzir reformas de mercado, tornou-se a segunda maior economia do mundo e é líder global em uma série de novas tecnologias.

Como parte do plano do G7, os EUA trabalharão para complementar o financiamento de desenvolvimento existente e "catalisar coletivamente centenas de bilhões de dólares em investimentos em infraestrutura", disse a Casa Branca.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos