Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.663,18
    -1.871,42 (-4,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

G7 mira alternativa verde à iniciativa de infraestrutura chinesa

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Grupo dos Sete planeja lançar uma alternativa verde à iniciativa “Belt and Road” da China quando os líderes se reunirem na próxima semana, segundo duas pessoas a par do assunto.

A estratégia, que deverá ser chamada “Clean Green Initiative”, forneceria uma estrutura para apoiar o desenvolvimento sustentável e a transição verde nos países em desenvolvimento, disseram as pessoas. A iniciativa também estará na pauta da cúpula dos líderes.

Um plano apoiado pelo G7 para rivalizar com a estratégia de infraestrutura da China foi inicialmente sugerido pelo presidente dos EUA, Joe Biden, e apresentado em discussões técnicas entre diplomatas que preparam a reunião da próxima semana na Cornualha, na Inglaterra, disse uma das fontes.

A mesma pessoa disse que não está claro se seria investido dinheiro novo na iniciativa do G7, explicando que o objetivo inicial é a promessa de criar uma estrutura estratégica.

O gabinete do governo do Reino Unido não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

A iniciativa de trilhões de dólares do governo chinês conseguiu o endosso de mais de 100 países, e sua rede de projetos e vias marítimas já está presente em muitas partes do mundo.

Mas críticos argumentam que os projetos geralmente criam uma dependência de dívida e expõem as nações à influência do governo de Pequim. Montenegro, membro da OTAN e candidato a entrar na União Europeia, é outro país que agora enfrenta dificuldades para pagar empréstimos à China.

Antes da cúpula da próxima semana, membros do G7 expressaram opiniões diferentes sobre o enfoque geográfico da iniciativa, disse uma das pessoas com conhecimento das discussões.

Alemanha, França e Itália desejam que o programa apoie atividades na África, enquanto os EUA defendem ações na América Latina e na Ásia. O Japão defende mais foco na região Indo-Pacífico. Mas todas as nações concordam com a necessidade de uma alternativa mais transparente ao programa chinês, acrescentou a pessoa.

Nos últimos anos, vários países do G7, assim como da UE, lançaram suas próprias iniciativas de infraestrutura com resultados conflitantes. Mais projetos estão a caminho.

A cúpula dos líderes do G7 está programada entre os dias 11 e 13 de junho.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos