Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,51
    +1,87 (+2,61%)
     
  • OURO

    1.783,50
    +14,50 (+0,82%)
     
  • BTC-USD

    31.976,48
    -3.884,25 (-10,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    775,42
    -74,93 (-8,81%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.062,29
    +44,82 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.137,50
    +102,50 (+0,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9750
    -0,0611 (-1,01%)
     

G7 das Finanças começa em Londres com imposto mundial como prioridade

·3 minuto de leitura

Os ministros das Finanças do G7 se reuniram nesta sexta-feira (4) em Londres, com um acordo "à vista" sobre o estabelecimento de um imposto global mínimo para as grandes multinacionais, com o aval dos Estados Unidos.

É a primeira vez, desde o início da pandemia, que as autoridades das Finanças das sete principais economias mundiais se encontram pessoalmente, a uma semana da cúpula de chefes de Estado e de Governo do G7 na Cornualha, no sudoeste da Inglaterra.

"Há uma grande expectativa para um acordo" sobre o imposto de sociedades, declarou o britânico Rishi Sunak na abertura do encontro. "Em uma economia complexa, global e digital, não podemos continuar a depender de um sistema tributário amplamente projetado na década de 1920", afirmou.

A questão de um imposto mínimo global sobre as sociedades, o "pilar" de uma vasta reforma tributária conduzida pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), terá um lugar de destaque na agenda, com a possibilidade de tributar os lucros das grandes multinacionais, particularmente as gigantes digitais, no país onde fazem seus lucros e não apenas onde suas matrizes estão registradas.

Os ministros das Finanças das quatro maiores economias da União Europeia - Alemanha, França, Itália e Espanha, que não integra o G7 - vão defender uma posição comum sobre o assunto, segundo o jornal britânico The Guardian.

A espanhola Nadia Calviño, o alemão Olaf Scholz, o francês Bruno Le Maire e a italiana Daniele Franco prometeram "definir uma posição comum sobre o novo sistema tributário internacional" e destacaram a atual "oportunidade" de "alcançar um acordo histórico".

Essas empresas multinacionais, "como as outras, têm que pagar impostos justos e consistentes com seu sucesso para financiar bens públicos", acrescentam na tribuna.

- Apoio de Biden -

O jornal The Guardian citou, como exemplo, a filial irlandesa da Microsoft, que no ano passado não pagou nenhum imposto porque está registrada nas Bermudas, apesar de ter lucrado US$ 315 bilhões.

Para o G7, trata-se de responder às "estratégias para evitar impostos" de certas empresas, segundo uma fonte próxima às negociações.

O projeto, lançado há alguns anos, recebeu impulso com a chegada à Casa Branca do democrata Joe Biden, mais favorável ao multilateralismo do que seu antecessor, o republicano Donald Trump.

Além disso, os americanos, como muitos outros países, buscam novos recursos para abastecer seus cofres públicos, drenados pela pandemia.

A administração Biden inicialmente sugeriu uma alíquota mínima de imposto sobre as sociedades de 21%, antes de mudar de ideia para 15%.

No entanto, por razões diplomáticas, o anúncio do acordo formal pode ter que esperar pela próxima reunião dos ministros das Finanças do G20 em Veneza, em julho, antes da validação pelos países da OCDE.

- Superar a relutância -

Diante dos países que já se opuseram, como Irlanda e Hungria, cujos impostos corporativos são particularmente baixos, os países do G7 contam com uma força negociadora internacional que poderia superar essa relutância.

De acordo com o projeto de declaração, Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha, França, Itália e Japão também devem se comprometer a "manter políticas de apoio" para suas economias, principalmente diante das novas variantes do vírus que podem ameaçar a recuperação.

O G7 vai reiterar as promessas de ajuda aos países em desenvolvimento, especialmente para a obtenção de vacinas contra a covid-19.

A luta contra as mudanças climáticas também teve destaque. "A transição para a neutralidade de carbono será um dos elementos econômicos que definirão a próxima década e transformarão nossas sociedades futuras. Temos que começar o trabalho prático e tangível de tornar essa transição uma realidade", disse Sunak no final do primeiro dia das reuniões.

E ele exortou outros países a seguirem a abordagem britânica de forçar as empresas a divulgar informações sobre seu impacto climático e a tomar medidas para combater os crimes contra o meio ambiente.

ved-jbo/acc/es/mr/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos