Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,81
    +0,38 (+0,62%)
     
  • OURO

    1.784,30
    +2,30 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    51.874,55
    -3.086,49 (-5,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.194,54
    -48,51 (-3,90%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.768,25
    +18,00 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5425
    -0,1595 (-2,38%)
     

G20 precisa fornecer US$650 bi de fundos extras ao FMI e ampliar alívio da dívida, dizem ativistas

·1 minuto de leitura

LONDRES (Reuters) - As 20 maiores economias do mundo precisam apoiar um aumento de 650 bilhões de dólares para a moeda do Fundo Monetário Internacional, realocar as reservas existentes e ampliar o alívio do pagamento da dívida às nações mais pobres, disseram ex-autoridades e ativistas.

A carta também apelou para que as nações do G20, cujos chefes das Finanças vão se reunir na sexta-feira, financiem totalmente o programa "ACT Accelerator" da Organização Mundial da Saúde para apoiar vacinas, tratamentos e diagnósticos contra a Covid-19 para países mais pobres.

"Se não dermos esses passos com urgência, as economias em desenvolvimento e emergentes enfrentarão uma década perdida desastrosa com profundas consequências para todos nós em todas as nações do G20", disse Jamie Drummond, co-fundador da ONE Campaign e um dos autores da carta. "As ações podem começar na reunião de amanhã."

Assinada por nomes como o ex-ministro das Finanças da África do Sul, Trevor Manuel; e a ex-CEO da ABSA, Maria Ramos, a carta é endereçada ao primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, cujo país detém a presidência do G20.

Os autores sugerem uma prorrogação do alívio do pagamento da dívida para os países pobres até 2022 e ampliá-lo para incluir mais devedores e credores. O G20 deve estender sua Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida para os países mais pobres até o final do ano.

(Por Karin Strohecker)