Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.346,42
    -107,55 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

G20 deve dizer que perspectiva econômica está menos negativa e prometer manter ou elevar auxílio

·1 min de leitura

BRUXELAS (Reuters) - Os líderes financeiros mundiais dirão na quarta-feira que as perspectivas para a economia global devastada pela pandemia estão menos negativas, uma vez que medidas já tomadas estão dando resultados, e prometerão fazer mais, se necessário, para apoiar uma recuperação, mostrou o esboço de sua declaração.

Ministros das finanças e chefes de bancos centrais das 20 maiores economias do mundo realizarão uma reunião virtual na quarta-feira para discutir os principais desafios econômicos globais diante da contração causada pela pandemia de Covid-19 este ano.

"A perspectiva está menos negativa, com a atividade econômica global mostrando sinais de recuperação conforme nossas economias foram gradualmente reabrindo e os impactos positivos de nossas singnificativas ações de política monetária começaram a se materializar", afirmou o esboço da declaração dos líderes financeiros do G20, visto pela Reuters.

"Vamos sustentar e fortalecer conforme necessário a nossa resposta de política monetária, considerando os diferentes estágios da crise, para garantir uma recuperação estável e sustentável", afirmou o documento.

Os líderes financeiros do G20, que entraram em confronto no passado sobre o comércio internacional --considerado motor do crescimento global-- disseram que não criariam novas barreiras a ele.

"Continuaremos a facilitar o comércio internacional, o investimento e a elevar a resiliência das cadeias de abastecimento para apoiar o crescimento, a produtividade, a inovação, a criação de empregos e o desenvolvimento", afirmou o esboço.