Mercado fechará em 1 h 7 min
  • BOVESPA

    107.191,99
    -3.594,44 (-3,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.881,92
    -416,28 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,80
    -1,62 (-1,94%)
     
  • OURO

    1.780,80
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    62.705,39
    -3.636,39 (-5,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.484,26
    -50,39 (-3,28%)
     
  • S&P500

    4.534,55
    -1,64 (-0,04%)
     
  • DOW JONES

    35.482,94
    -126,40 (-0,35%)
     
  • FTSE

    7.190,30
    -32,80 (-0,45%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.434,50
    +57,00 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6035
    +0,0839 (+1,29%)
     

g1 celebra 15 anos com debate sobre o desafio de combater fake news

·3 minuto de leitura

RIO - O g1, portal de notícias da TV Globo, completou 15 anos e, como parte das comemorações, realizou nesta terça-feira um evento virtual que reuniu jornalistas, executivos e convidados. Um dos principais temas foi como a disseminação de notícias falsas amplia o desafio do jornalismo profissional de informar o público com imparcialidade e isenção.

Pesquisas realizadas pelo g1 mostraram que 66% dos usuários da internet têm portais de notícias como principal fonte de informação. Mas é também pela internet que se expõem às chamadas fake news.

Para introduzir o tema de forma descontraída, o humorista Marcelo Adnet apresentou fatos que circularam nos últimos 15 anos para desafiar a audiência a descobrir o que era verdade ou mentira. Destacou a criação da editoria Fato ou Fake no g1, em 2018, que verifica a veracidade de informações que circulam nas redes.

Risco à democracia

Em um debate mediado pela jornalista do g1 Clara Velasco, o professor da USP Pablo Ortellado, que estuda a polarização política nas redes sociais, explicou que há duas novas características no atual cenário da desinformação:

— A primeira é que a distribuição dessa informação falsa não acontece por veículos de massa, mas por meio das redes sociais, nas quais o público passa a ter coparticipação nessa distribuição. E a segunda é que a desinformação está misturando opinião com notícia. Tem um formato noticioso, mas sem o jornalismo.

A antropóloga Isabela Kalil, que estuda temas ligados à desinformação, acrescentou que o contexto atual de manipulação de fatos por grupos políticos representa um risco à democracia. E mencionou a gravidade da deturpação de notícias sobre a Covid-19:

— Às vezes uma informação falsa coloca a vida de pessoas em risco.

A correção do conteúdo, a agilidade e capilaridade do g1 formam, segundo o diretor-geral de Jornalismo da Globo, Ali Kamel, a receita de sucesso do portal. No evento, ele destacou o alcance proporcionado pela rede de 121 emissoras afiliadas da Globo em todo o país, permitindo ao g1 tratar de temas regionais e nacionais:

— Tudo isso junto faz com que o g1 seja a potência que é. E também graças à sua equipe de jornalistas experientes, dedicados, empenhados, que têm o jornalismo como missão. Ao chegar ao seu 15º aniversário o g1 está alegre, feliz e olhando para o futuro. Nada em internet é cômodo.

Renato Franzini, diretor editorial do g1, destacou a busca por novas linguagens:

— O caminho da inovação é estarmos atentos ao que o público quer e demanda, mas também ao que funciona para que o público se surpreenda.

No mês do aniversário, o g1 estreou uma nova marca, com o “g” minúsculo, criou novas editorias e buscou formatos mais leves para informar por diferentes meios: textos, vídeos, áudios, fotos e infográficos, tanto no celular como no computador ou TV. Além das mais de 150 publicações diárias em redes como Facebook e Instagram, o g1 acaba de criar um canal no YouTube.

As mudanças foram guiadas por pesquisas sobre o que leitores buscam em portais de notícias, explicou Márcia Menezes, head de Produto Digital.

Manzar Feres, diretora de Negócios Integrados em Publicidade da Globo, e Sérgio Maria, diretor de Produtos Publicitários Digitais, apresentaram inovações na área de publicidade que abrem oportunidades para o engajamento de marcas com diferentes públicos.

Também destacaram o avanço da audiência entre os jovens, percebido pela jornalista Renata Lo Prete, apresentadora do Jornal da Globo e do podcast o Assunto, no G1. O programa diário em áudio acumula mais de 63,5 milhões de downloads em dois anos.

— É uma alegria descobrir que ele é ouvido por estudantes, por pessoas que vão fazer a primeira entrevista de emprego, pelos meus filhos e amigos deles — disse Renata.

O evento foi encerrado pela consultora Jaqueline Wegel, que falou sobre transformações do passado e as que virão:

— Muita gente diz que o futuro da mídia está ligado a dados. Acredito que está ligado a conectar o planeta com informações confiáveis e com o futuro que tanto desejamos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos