Mercado fechará em 3 h 22 min
  • BOVESPA

    108.937,54
    +1.558,62 (+1,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.546,03
    +278,83 (+0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,80
    +1,74 (+4,04%)
     
  • OURO

    1.799,00
    -38,80 (-2,11%)
     
  • BTC-USD

    19.260,38
    +808,41 (+4,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,39
    +10,64 (+2,88%)
     
  • S&P500

    3.611,77
    +34,18 (+0,96%)
     
  • DOW JONES

    29.945,52
    +354,25 (+1,20%)
     
  • FTSE

    6.418,69
    +84,85 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.924,25
    +19,00 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4001
    -0,0402 (-0,62%)
     

G-20 busca aprofundar alívio da dívida com coordenação da China

Alonso Soto e Eric Martin
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Autoridades das maiores economias se reúnem na sexta-feira para acertar os detalhes de um plano de alívio da dívida para os países mais pobres atingidos pela pandemia de Covid-19.

Ministros das Finanças e presidentes de bancos centrais do G-20 agendaram a reunião extraordinária para aprofundar os trabalhos iniciados no mês passado e tentar finalizar o plano antes da cúpula de chefes de governo na próxima semana. Autoridades da anfitriã Arábia Saudita presidirão as negociações.

A próxima fase da campanha de alívio visa em grande parte obter a adesão da China, o maior credor oficial do mundo: quase 60% da dívida bilateral de nações mais pobres com pagamentos neste ano é devida ao governo chinês. A China e outros países do G-20 suspenderam o pagamento da dívida de dezenas de países até pelo menos o primeiro semestre de 2021.

A iniciativa visa padronizar a forma como governos e credores comerciais reorganizam dívidas soberanas, buscando regras semelhantes para a China e o Clube de Paris, um grupo de credores governamentais em sua maioria ocidentais. O governo de Pequim também entrou em conflito com detentores de títulos privados em reestruturações recentes.

“A atenção é conseguir um acordo que a China possa apoiar”, disse Eric LeCompte, diretor executivo da Jubilee USA Network, um grupo sem fins lucrativos que defende o alívio da dívida para economias de menor porte. “Este tem sido um processo para incluir a China.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.