Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.180,83
    +749,61 (+1,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Gás perderá competitividade após salto no preço da Petrobras, diz Abegás

Marta Nogueira
Petrobras no Rio de Janeiro

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O salto de 39% do preço do gás natural da Petrobras vendido às distribuidoras a partir de 1º maio trará "forte impacto" para a competitividade do insumo frente a outros energéticos, afirmou em nota nesta quarta-feira a Abegás, associação que representa distribuidoras de gás canalizado.

A afirmação vem em um momento em que o governo federal lidera iniciativas para atrair investimentos e competição para o mercado de gás natural, por meio de novas regulações e da redução do papel da Petrobras, dominante no setor.

O ajuste, anunciado anteriormente pela petroleira, é trimestral e cumpre cláusulas contratuais junto às distribuidoras de gás. O gás é fonte de energia para térmicas, veículos e indústrias, dentre outros setores.

"Os aumentos no preço do gás natural não trazem benefícios para as distribuidoras", disse a Abegás. "Ao contrário, acabam tirando competitividade do gás natural em relação aos outros combustíveis como a gasolina, óleo combustível, GLP (gás de botijão)."

Segundo a associação, as distribuidoras têm margens reguladas e definidas pelas agências reguladoras estaduais atráves da fixação de margens de distribuição. Dessa forma, "não há qualquer ganho sobre o custo do gás que é repassado ao mercado pelo custo de aquisição", afirmou.

A Abegás disse ainda que enviou propostas ao governo federal para atenuar o repasse do custo aos consumidores finais, mas que não houve convergência entre a Petrobras e os transportadores.

Dentre as propostas, as distribuidoras sugeriram opções de curto prazo, como um diferimento ou parcelamento do reajuste e a criação de uma "conta corrente" para amortizar os valores.