Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    42.091,11
    +322,11 (+0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Gás do meio interestelar formou "nuvem órfã" solitária em aglomerado de galáxias

·3 minuto de leitura

Em 2017, observações feitas com o telescópio Subaru, no Japão, revelaram uma nuvem de gás desconhecida no aglomerado Abell 1367, que conta com cerca de 70 galáxias. Depois, novas observações feitas com o telescópio XMM Newton, da Agência Espacial Europeia (ESA), revelaram que, na verdade, se trata de uma “nuvem órfã”, que existe sozinha em meio ao aglomerado. Essa é a primeira descoberta de uma nuvem do tipo, cujas emissões de raios X da nuvem indicam que ela é maior até do que a Via Láctea.

Os aglomerados de galáxias podem abrigar de algumas dezenas a milhares delas, que ficam unidas pela ação da gravidade. Essas galáxias podem ter diferentes características, mas, geralmente, abrigam várias estrelas e planetas junto do material que preenche o meio entre as estrelas. Nisso, o meio entre aglomerados, aquele que existe entre as galáxias, é ocupado por gás quente — e o novo estudo mostrou que este gás pode ser arrancado da galáxia, indo parar em uma região isolada do aglomerado.

Estudos recentes de raios X mostraram que estes aglomerados podem ter “bolsas” de gás, que são, na verdade, o gás existente entre as estrelas das galáxias individuais. Já o gás entre os aglomerados atua como um vento forte, capaz de arrancar o gás interestelar da galáxia que se move pelo aglomerado. Mas, até agora, nunca houve observações que mostrassem que essas bolsas de gás são feitas do material interestelar “arrancado”.

Aqui, a nuvem órfã aparece em azul; a parte dela que foi descoberta em 2017, em vermelho, se sobrepõe aos raios X, na parte inferior (Imagem: Reprodução/Ge et al (2021)
Aqui, a nuvem órfã aparece em azul; a parte dela que foi descoberta em 2017, em vermelho, se sobrepõe aos raios X, na parte inferior (Imagem: Reprodução/Ge et al (2021)

Assim, a observação do gás quente evidencia que esta nuvem órfã veio de uma galáxia. Esta é a primeira vez em que uma formação assim, entre aglomerados, foi observada em raios X e pela luz emitida pelo gás quente que a forma. Além disso, a sobrevivência da nuvem é algo surpreendente por si só; afinal, ela está isolada e não tem associação com nenhuma galáxia, e mesmo assim segue flutuando no espaço entre as galáxias há bastante tempo. A nuvem é a formação azul na imagem acima, onde os raios X estão indicados em azul, o gás quente aparece em vermelho, e a região visível, em branco.

O material interestelar é bem mais frio que o material entre os aglomerados e, além disso, a temperatura da nuvem corresponde àquela do gás entre as estrelas. Os pesquisadores descobriram que um campo magnético da própria nuvem pode ter ajudado ela a resistir às instabilidades causadas por diferenças de velocidade e densidade, e permitiu que resistisse por todo este tempo. Já as origens dela ainda guardam alguns mistérios, mas os pesquisadores do estudo estimam que a galáxia-mãe deve ser massiva, e observações futuras poderão identificar mais dados sobre ela e sobre o deslocamento misterioso entre os raios X e a luz do gás quente.

Análises mais aprofundadas desta nuvem irão ajudar também na compreensão de como o meio interestelar “arrancado” evolui estando tão longe de sua galáxia original, funcionando como um grande laboratório para estudos de outras questões, como a turbulência e a condução do calor. Futuramente, outras pesquisas sobre gases quentes podem ser direcionadas a outras nuvens solitárias, como essa.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos