Mercado abrirá em 3 h 9 min
  • BOVESPA

    109.717,94
    -517,82 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.460,55
    +652,34 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    94,64
    +0,30 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.802,60
    -4,60 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    24.015,38
    -492,76 (-2,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    570,87
    -3,87 (-0,67%)
     
  • S&P500

    4.207,27
    -2,97 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.336,67
    +27,16 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.514,88
    +48,97 (+0,66%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.392,75
    +81,50 (+0,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3275
    +0,0038 (+0,07%)
     

Futuros unicórnios: veja 7 startups brasileiras que devem superar US$ 1 bilhão

·3 min de leitura

Se no ano de 2021 tivemos aportes enormes para startups brasileiras, como os US$ 750 milhões (R$ 4,2 bilhões) obtidos pelo Nubank em junho, 2022 terá algumas grandes promessas para se tornarem os novos unicórnios, startups que valem US$ 1 bilhão ou mais.

É claro que a lista abaixo, levantada pelo site Startups, não é feita de cartas marcadas. O Brasil está em um bom momento de transformação digital e atração de capital de risco. Mas fatores como a crise econômica do país, possíveis novas ondas da pandemia de covid e até as eleições presidenciais podem alterar o ecossistema. Por outro lado, se tudo correr bem, o Brasil poderá ver muito mais do que sete unicórnios no ano que vem; só neste ano foram 11.

Seja como for, empresas como a healthtech Alice, a mobitech Kovi e a fintech Neon estão em uma crescente e dificilmente perderão a chance de superarem a barreira do US$ 1 bilhão. Veja a lista:

Alice obteve em dezembro US$ 127 milhões (Imagem: Divulgação/Alice)
Alice obteve em dezembro US$ 127 milhões (Imagem: Divulgação/Alice)

Alice

A startup paulista, que vende seguros de saúde mais baratos ao focar em medicina preventiva, obteve em dezembro deste ano a maior rodada já registrada por uma healthtech na América Latina: US$ 127 milhões (R$ 714 milhões). O dinheiro veio apenas 11 meses depois que a Alice levantou US$ 33,3 milhões (R$ 187 milhões) em série B. Nada mal para uma empresa com dois anos de atividade e que se beneficiou bastante do crescente interesse por saúde após a pandemia de covid.

Neon

Apesar de o último aporte do banco digital ter sido em 2020 — US$ 300 milhões (R$ 1,6 bilhão) — ele continua sendo um grande candidato a unicórnio, até pela grande valorização das fintechs nos últimos anos.

Beep

Em abril, a healthtech Beep Saúde levantou R$ 110 milhões em rodada série B. Na ocasião a empresa estava avaliada em R$ 670 milhões. O aplicativo oferece atendimento médico em domicílio durante 24 horas por dia em especialidades como clínico geral, oftalmologistas, pediatras, geriatras e cardiologistas.

Cora conseguiu em agosto um aporte de US$ 116 milhões (Imagem: Divulgação/Cora)
Cora conseguiu em agosto um aporte de US$ 116 milhões (Imagem: Divulgação/Cora)

Cora

A fintech conseguiu em agosto um novo aporte de investimentos (tipo Série B) no valor de US$ 116 milhões (R$ 652 milhões), apenas cinco meses depois de outro aporte (Série A) no valor de US$ 26,7 milhões (R$ 150 milhões). O banco digital para pequenas e médias empresas tem um aplicativo que abre contas PJ (pessoa jurídica) rapidamente e de forma gratuita, além de trazer recursos como emissão de boletos gratuitos e ilimitados.

Descomplica

A edtech, que oferece cursos online para Enem, vestibulares, graduação e pós-graduação, chegou à sua série E em fevereiro captando US$ 130 milhões (R$ 731 milhões) em um intervalo de nove anos.

Kovi anunciou em agosto a captação de US$ 100 milhões (Imagem: Divulgação/Kovi)
Kovi anunciou em agosto a captação de US$ 100 milhões (Imagem: Divulgação/Kovi)

Kovi

A startup de aluguel de carros anunciou em agosto a captação de um aporte de US$ 100 milhões (R$ 562 milhões) em rodada de investimentos do tipo série B. Agora a empresa sonha com expansão internacional.

Trybe

Além da formação técnica de programadores, a edtech oferece a alguns de seus alunos a possibilidade de eles pagarem pelo curso apenas após a conclusão e quando o recém-formado já estiver atuando no mercado de tecnologia. Em rodada série B em outubro, captou US$ 27 milhões (R$ 151 milhões).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos