Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,02
    -0,11 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.868,90
    +3,00 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    29.624,08
    -1.057,59 (-3,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    580,72
    -99,18 (-14,59%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.593,56
    -163,30 (-0,57%)
     
  • NASDAQ

    13.386,50
    -9,00 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5121
    +0,0037 (+0,06%)
     

Futuro do minério na África avança lentamente, diz Rio Tinto

David Stringer
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Rio Tinto avança com o desenvolvimento do gigantesco depósito de minério de ferro de Simandou, na Guiné, o que pode causar mudanças no fluxo de oferta global do material siderúrgico.

O início da produção no pequeno país da África Ocidental adicionaria uma nova fonte de minério de alta qualidade e desafiaria algumas exportações de menor gradação da Austrália e do Brasil, atualmente os maiores fornecedores.

“Há mais atividade na Guiné”, disse o diretor-presidente da Rio Tinto, Jean-Sebastien Jacques, em entrevista. “A Covid-19 continua sendo uma preocupação, e o movimento é bastante lento, mas estamos progredindo em nossos estudos enquanto conversamos com nosso parceiro chinês.”

O novo esforço marca uma virada para a londrina Rio Tinto, após um acordo para vender sua participação em Simandou para a parceira chinesa Aluminium Corp., conhecida como Chinalco, não ter sido concluído. A Guiné é agora considerada uma opção de crescimento, juntamente com o desenvolvimento de minas na região de Pilbara, na Austrália.

“Estamos analisando o projeto por seus próprios méritos. Temos um caminho de desenvolvimento para Pilbara, estamos analisando uma opção em Simandou - ainda está na fase inicial”, disse Jacques em entrevista na sexta-feira.

A Rio Tinto detém 45% dos blocos 3 e 4 de Simandou - que contêm cerca de 2,8 bilhões de toneladas de minério -, e a China Baowu Steel Group lidera um consórcio para adquirir a participação de 40% da Chinalco, segundo reportado pelo jornal Caixin no mês passado. A Comissão de Supervisão e Administração de Ativos Estatais da China pressiona empresas para avançarem com o projeto, disseram pessoas a par dos planos em março.

Um outro projeto cobrindo a outra metade de Simandou - blocos 1 e 2 - pode iniciar as operações dentro de cinco anos, produzindo cerca de 60 milhões de toneladas por ano em um estágio inicial e depois expandindo para mais de 100 milhões de toneladas por ano, de acordo com a Societe Miniere de Boke, parte de um consórcio com a Winning Shipping, de Cingapura, e o governo da Guiné.

A perspectiva de um projeto rival na Guiné e uma possível medida da BHP para aumentar volumes de exportação na Austrália podem estar influenciando o foco da Rio Tinto, disse Tyler Broda, analista da RBC Capital Markets, em relatório na semana passada.

“Veríamos isso como uma mudança na direção da administração da Rio e potencialmente interessante”, disse Broda. “A Rio pode estar dando os primeiros passos para proteger sua participação no mercado de minério de ferro.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.