Mercado fechado

Fuselagem do novo Boeing 777X rompeu durante teste de pressão

Por Luc OLINGA
Boeing doit, après la crise du 737 MAX, rassurer ses clients sur le long courrier 777X

A fuselagem de uma das novas aeronaves 777X da Boeing rompeu completamente em testes de pressão em setembro, um grande revés anteriormente não relatado e que poderá atrasar a chegada do jato de longa distância aos céus globais, segundo fontes bem informadas falando à AFP.

Já profundamente envolvida na crise em torno do 737 MAX, a principal fabricante de aeronaves americana agora enfrenta novas dificuldades em colocar sua nova linha de jatos de longa distância no mercado devido à fraqueza inesperada na estrutura do 777X.

Sabia-se que a porta do passageiro da aeronave explodiu quando a Boeing submeteu o corpo da aeronave a testes de pressão em setembro, levando-a deliberadamente a extremos além das condições normais de operação para garantir a resistência dos materiais de construção.

Mas várias fontes, que insistiram no anonimato, disseram que a estrutura do corpo que suporta a porta também se rompeu durante os testes.

"Havia uma estrutura ao redor da porta de saída que também explodiu durante os testes, o que significa que houve uma falha na estrutura", disse uma das fontes, acrescentando que uma das asas da aeronave também foi danificada no teste.

"Houve uma despressurização da fuselagem traseira; a estrutura que suporta a porta explodiu", disse uma segunda pessoa. "Não foi só a porta. É muito grave".

- Investigação da FAA -

A Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA), cujos funcionários supervisionaram o teste, abriu uma investigação para determinar por que a fuselagem falhou, disse uma fonte na reguladora.

Mas não ficou claro como o incidente afetará a certificação do 777X, que já está com atraso de meses para a introdução em serviço.

No mês passado, a Boeing afirmou que o resultado do teste de pressão não afetará o cronograma de testes de voo do 777X, necessário para a certificação da aeronave.

"O que vimos até agora reforça nossa avaliação prévia de que isso não terá um impacto significativo no projeto ou nos preparativos para o primeiro voo", disse a empresa em 23 de outubro.

Os resultados desastrosos dos testes de pressão representam um novo abalo significativo para a Boeing, que já havia atrasado as entregas do 777X devido a problemas com seu novo motor General Electric GE9X.

Embora o processo de aprovação seja beneficiado pelo fato de o 777X de ser visto pela FAA como um "derivado" do 777 - o que significa que alguns sistemas já estão certificados -, também houve problemas com o design das asas da nova aeronave e em sua parte eletrônica, segundo fontes do setor.

As modificações no corpo podem atrasar o calendário de entrega do primeiro 777X em seis meses, disseram as fontes. As primeiras entregas foram planejadas para 2020, mas em outubro a Boeing mudou a data para o início de 2021. Agora, isso pode correr para meados de 2021, disseram as fontes.