Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,86
    +0,95 (+2,12%)
     
  • OURO

    1.806,10
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    18.753,38
    -287,46 (-1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    368,46
    -2,05 (-0,55%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.168,75
    +92,75 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3377
    -0,0592 (-0,93%)
     

Furnas, da Eletrobras, contrata energia de quase 1 GW em usinas solares em leilão

Por Luciano Costa
·1 minuto de leitura
Fábrica de painéis para energia solar BYD, em Campinas
Fábrica de painéis para energia solar BYD, em Campinas

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A estatal Furnas, da Eletrobras <ELET6.SA>, fechou contratos de longo prazo para a compra da produção futura de novas usinas solares que serão construídas por terceiros e somarão quase 1 gigawatt em capacidade instalada, após um leilão privado realizado pela companhia na semana passada.

O movimento de Furnas segue-se a outras licitações semelhantes de elétricas como Copel, Cemig e Engie, que têm buscado comprar energia renovável para posterior negociação no chamado mercado livre de eletricidade, onde grandes empresas como indústrias negociam diretamente seu suprimento junto a geradores e comercializadores de energia.

A elétrica informou em comunicado no sábado que o leilão, promovido na quinta-feira, selou a compra de energia junto a 15 empreendimentos solares por prazo de 15 anos, para comercialização a partir de 2024.

Furnas disse que o leilão tinha como objetivo original a compra de energia de novos empreendimentos eólicos e solares e que participaram "diversas companhias e consórcios", mas não detalhou as empresas que disputaram a concorrência.

Os empreendimentos que negociaram energia com a estatal ficam na Bahia, Piauí, Ceará e Paraíba.

Os projetos deverão demandar um investimento total pelas empresas responsáveis pelos ativos estimado em cerca de 4,1 bilhões de reais, segundo Furnas.