Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.952,87
    -89,79 (-0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Furar teto em 2023 é inevitável, mas regra deve voltar depois, diz Meirelles

***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 27.09.2022 - O economista Henrique Meirelles. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 27.09.2022 - O economista Henrique Meirelles. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O ex-ministro da Fazenda e ex-chefe do Banco Central Henrique Meirelles defendeu a investidores estrangeiros nesta quarta-feira (16) que criar uma exceção no teto de gastos para o ano que vem "talvez seja inevitável devido à campanha política", mas a regra deve voltar a valer no ano seguinte.

Nesta quarta, o vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin (PSB), apresentou a minuta da PEC (proposta de emenda à Constituição) da Transição, que propõe retirar o programa Bolsa Família do alcance do teto de gastos de forma permanente.

Meirelles, que foi ministro de Michel Temer (MDB) e apoiou a candidatura do petista neste ano, afirmou nesta quarta que "você pode criar o waiver [licença para gastar] em 2023, mas então corte todos os gastos desnecessários e volte com uma âncora de gastos em 2024".

Questionado especificamente sobre o Bolsa Família, afirmou que "não devíamos simplesmente excluir gastos do teto por anos." "O propósito principal do teto de gastos é a definição de prioridades", disse o ex-ministro em evento do Bradesco BBI realizado em Nova York.

A PEC apresentada não fixa um valor máximo para a fatura extrateto, mas as estimativas da equipe de Lula apontam a necessidade de R$ 175 bilhões para o programa social no ano que vem.

O valor inclui R$ 157 bilhões para assegurar a continuidade do benefício mínimo de R$ 600 e R$ 18 bilhões para bancar a parcela adicional de R$ 150 por criança de até seis anos. O texto também não estipula prazo de validade para a medida, o que deixa a porta aberta para que ela seja permanente.

Só considerando a retirada do Bolsa Família do teto de gastos, o déficit primário do governo no ano que vem pode passar de R$ 235 bilhões. Esse valor é bancado por dívida pública, que é financiada pela arrecadação (obtida principalmente a partir dos impostos pagos pela sociedade).

Meirelles afirmou que a ideia do teto é forçar o corte de gastos desnecessários, e citou a necessidade de fechar companhias estatais que perderam sua função, como a EPL (Empresa de Planejamento e Logística), empresa que estruturaria o trem-bala que ligaria o Rio a São Paulo —que nunca saiu do papel.

Meirelles defendeu sua adesão à campanha de Lula e disse que o governo começa em uma situação melhor do que em 2003, pelo tamanho da dívida externa e da falta de reservas estrangeiras, e elogiou as políticas austeras e a responsabilidade fiscal do petista, sobretudo no primeiro mandato.

O ex-ministro afirmou que espera que a equipe econômica de Lula "faça o que é correto e o que funcionou antes". "Acredito que a política social mais efetiva que existe é a criação de empregos", disse.