Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.123,85
    -3.459,16 (-3,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.925,52
    -673,01 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,40
    -0,89 (-1,18%)
     
  • OURO

    1.735,60
    -1,90 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    41.742,18
    -558,54 (-1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.029,96
    -27,19 (-2,57%)
     
  • S&P500

    4.352,63
    -90,48 (-2,04%)
     
  • DOW JONES

    34.299,99
    -569,38 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.557,71
    -626,25 (-2,07%)
     
  • NASDAQ

    14.814,50
    +49,75 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3412
    -0,0014 (-0,02%)
     

Furacão Ida mostra que crise climática está em ponto gravíssimo

·2 minuto de leitura
  • Desastres climáticos matavam mais nas décadas de 1970 e 1980

  • Custos para medidas de prevenção ficaram mais caras no século 21

  • Furacão Ida mostra crescimento dos problemas relacionados ao aquecimento global

Desastres climáticos globais associados ao aquecimento global atingem quatro a cinco vezes mais frequentemente o Planeta e criam sete vezes mais danos do que na década de 1970. Com isso, o Furacão Ida é o mais caro até agora, disse à agência meteorológica das Nações Unidas.

A Organização Meteorológica Mundial da ONU apresentou um relatório mostrando que os desastres climáticos estão matando menos pessoas do que nos anos 1970 e 1980, pois as medidas de prevenção se tornaram melhores. O custo para que as cidades e pessoas resistam está muito mais caro. O relatório mostra as três grandes tempestades que atingiram os Estados Unidos nas últimas semanas. Furacão Ida, que destruiu uma série de cidades na Louisiana, teve reflexos em Nova Iorque e Nova Jersey, matando oito pessoas no nordeste norte-americano.

Ida é a nona tempestade no Oceano Atlântico em uma temporada que começou em junho e vem na esteira de um número recorde de furacões em 2020.

Na década de 1970, o mundo tinha uma média de cerca de 711 desastres climáticos por ano, mas de 2000 a 2009 essa contagem foi de até 3.536 por ano - ou quase 10 por dia - antes de recuar um pouco, de acordo com o relatório.

Nas décadas de 1970 e 1980, o clima severo matou uma média de cerca de 170 pessoas por dia em todo o mundo. Na década de 2010, esse número caiu para cerca de 40 por dia, de acordo com a OMM, que rastreou mais de 11.000 desastres climáticos no último meio século.

O relatório também vem no final de um verão repleto de desastres que incluiu inundações mortais na Alemanha e uma onda de calor no Mediterrâneo. No oeste dos Estados Unidos, incêndios florestais agravados pela seca continuam a queimar. A maioria das mortes e danos estruturais durante 50 anos de rastreamento pode ser atribuída a tempestades, inundações e secas.

Mais de 90% dos mais de 2 milhões de mortes ocorrem no que a ONU considera nações em desenvolvimento, enquanto quase 60% dos danos econômicos ocorreram em países mais ricos. Nos anos 1970, os desastres climáticos custaram cerca de US$ 175 bilhões globalmente, quando ajustados para o dólar em 2019, descobriu a ONU. Isso aumentou para US$ 1,38 trilhão no período de 2010 a 2019.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos