Mercado fechado

Furacão gera maior interrupção em 15 anos na produção de petróleo offshore dos EUA

·2 minutos de leitura
Habitantes da Lousiana passam ao lado de instalações da Phillips 66 durante evacuação forçada pelo furacão Delta
Habitantes da Lousiana passam ao lado de instalações da Phillips 66 durante evacuação forçada pelo furacão Delta

HOUSTON (Reuters) - De maneira poderosa, o furacão Delta desferiu o maior golpe em 15 anos sobre a produção de energia "offshore" na parcela do Golfo do México regulada pelos Estados Unidos, interrompendo a maior parte do bombeamento de petróleo da região e quase dois terços da produção de gás natural.

O Delta gerou ventos de 175 quilômetros por hora ao passar pela principal área produtora de petróleo do Golfo, avançando em direção à costa da Louisiana. Segundo uma atualização matutina do Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC, na sigla em inglês), o fenômeno climático estava cerca de 129 quilômetros ao sul de Cameron, Louisiana, e se movia rumo ao norte a cerca de 20 km/h.

A passagem do Delta interrompeu a produção de 1,69 milhões de barris de petróleo por dia (bpd), o equivalente a 92% do bombeamento do Golfo, maior nível de paralisação desde 2005, quando o furacão Katrina destruiu mais de 100 plataformas "offshore" e impediu a produção local por meses.

Portos de Beaumont, no Texas, a Lake Charles, na Louisiana, foram fechados nesta sexta-feira, enquanto os localizados mais a leste, como os de Morgan City e Nova Orleans, permaneceram abertos, mas com restrições, disse a Guarda Costeira norte-americana.

Trabalhadores foram retirados de 281 instalações "offshore" no Golfo do México, enquanto produtores moveram 14 sondas para afastá-las dos ventos do Delta. Os ventos de força tropical se estendem por até 257 quilômetros do epicentro do fenômeno, disse o NHC.

Além do impacto no petróleo, empresas paralisaram quase 62% da produção de gás natural da região, ou 1,684 bilhão de pés cúbicos por dia. Campos offshore no Golfo do México respondem por cerca de 15% da produção de petróleo dos EUA e 5% da de gás natural.

(Reportagem de Gary McWilliams e Erwin Seba)